quarta-feira, 30 de julho de 2014

Marcelo Gruman: Não em meu nome

 

buscado no Vermelho


Na adolescência, tive a oportunidade de visitar Israel duas vezes, ambas na primeira metade da década de 1990. Era estudante de uma escola judaica da zona sul da cidade do Rio de Janeiro. As viagens foram organizadas por instituições sionistas para apresentar à juventude diaspórica a realidade daquele Estado formado após o holocausto judaico da Segunda Guerra Mundial, e para o qual todo e qualquer judeu tem o direito de “retornar” caso deseje. Voltar à terra ancestral.


Por Marcelo Gruman*

Para as organizações sionistas, ainda que não disposto a deixar a diáspora, todo e qualquer judeu ao redor do mundo deve conhecer a “terra prometida”, prestar-lhe solidariedade material ou simbólica, assim como todo muçulmano deve fazer, pelo menos uma vez na vida, a peregrinação a Meca. Para muitos jovens judeus, a visita a Israel é um rito de passagem, assim como para outros o destino é a Disneylândia.

A equivalência de Israel e Disneylândia tem um motivo. A grande maioria dos jovens não religiosos e sem interesse por questões políticas realizam a viagem apenas para se divertir. O roteiro é basicamente o mesmo: visita ao Muro das Lamentações, com direito a fotos em posição hipócrita de reza (já viram ateu rezando?), ao Museu da Diáspora, ao Museu do Holocausto, às Colinas do Golan, ao Deserto do Neguev e a experiência de tomar um chá com os beduínos, ir ao Mar Morto e boiar na água sem fazer esforço por conta da altíssima concentração de sal, a “vivência” de alguns dias num dos kibutzim ainda existentes em Israel e uma semana num acampamento militar, onde se tem a oportunidade de atirar com uma arma de verdade. Além, é claro, da interação com jovens de outros países hospedados no mesmo local. Para variar, brasileiros e argentinos, esquecendo sua identidade étnica comum, atualizavam a rivalidade futebolística e travavam uma guerra particular pelas meninas. Neste quesito, os argentinos davam de goleada e os brasileiros ficavam a ver navios.

Minha memória afetiva das duas viagens não é das mais significativas. Aparte ter conhecido parentes por parte de mãe, a “terra prometida” me frustrou quando o assunto é a construção de minha identidade judaica. Achei os israelenses meio grosseiros (dizem que o “sabra”, o israelense “da gema”, é duro por natureza), a comida é medíocre (o melhor falafel que comi até hoje foi em Paris...), é tudo muito árido, a sociedade é militarizada, o serviço militar é compulsório, não existe “excesso de contingente”. A memória construída apenas sobre o sofrimento começava a me incomodar.

Nossos guias, jovens talvez dez anos mais velhos do que nós, andavam armados, o motorista do ônibus andava armado. Um dos nossos passeios foi em Hebron, cidade da Cisjordânia, em que a estrada era rodeada por telas para contenção das pedras atiradas pelos palestinos. Em momento algum os guias se referiram àquele território como “ocupado”, e hoje me envergonho de ter feito parte, ainda que por poucas horas, deste “finca pé” em território ilegalmente ocupado. Para piorar, na segunda viagem quebrei a perna jogando basquete e tive de engessá-la, o que, por outro lado, me liberou da experiência desagradável de ter de apertar o gatilho de uma arma; exatamente naquela semana íamos acampar com o exército israelense.

Sei lá, não me senti tocado por esta realidade, minha fantasia era outra. Não encontrei minhas raízes no solo desértico do Neguev, tampouco na neve das colinas do Golan. Apesar disso, trouxe na bagagem uma bandeira de Israel, que coloquei no meu quarto. Muitas vezes meu pai, judeu ateu, não sionista, me perguntou o porquê daquela bandeira estar ali, e eu não sabia responder. Hoje eu sei por que ela NÃO DEVERIA estar ali, porque minha identidade judaica passa pela Europa, pelos vilarejos judaicos descritos nos contos de Scholem Aleichem, pelo humor judaico característico daquela parte do mundo, pela comida judaica daquela parte do mundo, pela música klezmer que os judeus criaram naquela parte do mundo, pelas estórias que meus avós judeus da Polônia contavam ao redor da mesa da sala nos incontáveis lanches nas tardes de domingo.

Sou um judeu da diáspora, com muito orgulho. Na verdade, questiono mesmo este conceito de “diáspora”. Como bem coloca o antropólogo norte-americano James Clifford, as culturas diaspóricas não necessitam de uma representação exclusiva e permanente de um “lar original”. Privilegia-se a multilocalidade dos laços sociais. Diz ele:



As conexões transnacionais que ligam as diásporas não precisam estar articuladas primariamente através de um lar ancestral real ou simbólico (...). Descentradas, as conexões laterais [transnacionais] podem ser tão importantes quanto aquelas formadas ao redor de uma teleologia da origem/retorno. E a história compartilhada de um deslocamento contínuo, do sofrimento, adaptação e resistência pode ser tão importante quanto a projeção de uma origem específica.

Há muita confusão quando se trata de definir o que é judaísmo, ou melhor, o que é a identidade judaica. A partir da criação do Estado de Israel, a identidade judaica em qualquer parte do mundo passou a associar-se, geográfica e simbolicamente, àquele território. A diversidade cultural interna ao judaísmo foi reduzida a um espaço físico que é possível percorrer em algumas horas. A submissão a um lugar físico é a subestimação da capacidade humana de produzir cultura; o mesmo ocorre, analogamente, aos que defendem a relação inexorável de negros fora do continente africano com este continente, como se a cultura passasse literalmente pelo sangue. O que, diga-se de passagem, só serve aos racialistas e, por tabela, racistas de plantão. Prefiro a lateralidade de que nos fala Clifford.

Ser judeu não é o mesmo que ser israelense, e nem todo israelense é judeu, a despeito da cidadania de segunda classe exercida por árabes-israelenses ou por judeus de pele negra discriminados por seus pares originários da Europa Central, de pele e olhos claros. Daí que o exercício da identidade judaica não implica, necessariamente, o exercício de defesa de toda e qualquer posição do Estado de Israel, seja em que campo for.

Muito desta falsa equivalência é culpa dos próprios judeus da “diáspora”, que se alinham imediatamente aos ditames das políticas interna e externa israelense, acríticos, crentes de que tudo que parta do Knesset (o parlamento israelense) é “bom para os judeus”, amém. Muitos judeus diaspóricos se interessam mais pelo que acontece no Oriente Médio do que no seu cotidiano.

Veja-se, por exemplo, o número ínfimo de cartas de leitores judeus em jornais de grande circulação, como O Globo, quando o assunto tratado é a corrupção ou violência endêmica em nosso país, em comparação às indefectíveis cartas de leitores judeus em defesa das ações militaristas israelenses nos territórios ocupados. Seria o complexo de gueto falando mais alto?

Não preciso de Israel para ser judeu e não acredito que a existência no presente e no futuro de nós, judeus, dependa da existência de um Estado judeu, argumento utilizado por muitos que defendem a defesa militar israelense por quaisquer meios, que justificam o fim. Não aceito a justificativa de que o holocausto judaico na Segunda Guerra Mundial é o exemplo claro de que apenas um lar nacional única e exclusivamente judaico seja capaz de proteger a etnia da extinção.

A dor vivida pelos judeus, na visão etnocêntrica, reproduzida nas gerações futuras através de narrativas e monumentos, é incomensurável e acima de qualquer dor que outro grupo étnico possa ter sofrido, e justifica qualquer ação que sirva para protegê-los de uma nova tragédia. Certa vez, ouvi de um sobrevivente de campo de concentração que não há comparação entre o genocídio judaico e os genocídios praticados atualmente nos países africanos, por exemplo, em Ruanda, onde tutsis e hutus se digladiaram sob as vistas grossas das ex-potências coloniais. Como este senhor ousa qualificar o sofrimento alheio? Será pelo número mágico? Seis milhões? O genial Woody Allen coloca bem a questão, num diálogo de Desconstruindo Harry (tradução livre):

- Você se importa com o Holocausto ou acha que ele não existiu?

- Não, só eu sei que perdemos seis milhões, mas o mais apavorante é saber que recordes são feitos para serem quebrados.

O holocausto judaico não é inexplicável, e não é explicável pela maldade latente dos alemães. Sem dúvida, o componente antissemita estava presente, mas, conforme demonstrado por diversos pensadores contemporâneos, dentre os quais insuspeitos judeus (seriam judeus antissemitas Hannah Arendt, Raul Hilberg e Zygmunt Bauman?), uma série de características do massacre está relacionada à Modernidade, à burocratização do Estado e à “industrialização da morte”, sofrida também por dirigentes políticos, doentes mentais, ciganos, eslavos, “subversivos” de um modo geral.

Práticas sociais genocidas, conforme descritas pelo sociólogo argentino Daniel Feierstein (outro judeu antissemita?), estão presentes tanto na Segunda Guerra Mundial quanto durante o Processo de Reorganização Nacional imposto pela ditadura argentina a partir de 1976. Genocídio é genocídio, e ponto final.

A sacralização do genocídio judaico permite ações que vemos atualmente na televisão, o esmagamento da população palestina em Gaza, transformada em campo de concentração, isolada do resto do mundo. Destruição da infraestrutura, de milhares de casas, a morte de centenas de civis, famílias destroçadas, crianças torturadas em interrogatórios ilegais conforme descrito por advogados israelenses. Não, não são a exceção, não são o efeito colateral de uma guerra suja. São vítimas, sim, de práticas sociais genocidas, que visam, no final do processo, ao aniquilamento físico do grupo.

Recuso-me a acumpliciar-me com esta agressão. O exército israelense não me representa, o governo ultranacionalista não me representa. Os assentados ilegalmente são meus inimigos. 

Eu, judeu brasileiro, digo: ACABEM COM A OCUPAÇÃO!!!

*Marcelo Gruman é antropólogo

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Cresce repúdio ao terrorismo de Israel

 

buscado no Altamiro Borges




Por Altamiro Borges

A mídia colonizada, que sofre forte influência da “diplomacia” sionista, dá pouco destaque, mas as manifestações em solidariedade ao povo palestino crescem no mundo inteiro. Na semana passada, ocorreram protestos em vários países da Europa e do Oriente Médio. Já neste domingo (27), cerca de 4 mil pessoas voltaram às ruas de São Paulo para exigir o fim do genocídio em Gaza patrocinado pelo exército israelense. Inúmeras entidades da sociedade civil também têm se pronunciado, a maioria delas elogiando a postura do governo Dilma diante do terrorismo e da arrogância dos “anões” sionistas e propondo ações ainda mais incisivas, como o rompimento das relações comerciais e militares do Brasil com Israel.

Segundo reportagem de Moara Crivelente, no site Vermelho, “milhares de manifestantes, que já haviam protestado de forma massiva no sábado anterior (19), pediram ao governo que rompa imediatamente as relações comerciais, militares e até diplomáticas com Israel. Os vários oradores rechaçaram veementemente a resposta da chancelaria israelense, com ofensas ao Brasil, e pediram ao governo Dilma que aprofunde as medidas condenatórias da política sionista de ocupação e de repetidos massacres dos palestinos”. Durante a semana, também foram articulados várias ações de repúdio ao genocídio em Gaza e produzidas inúmeras notas. Reproduzo abaixo duas delas pela sua importância:

*****

Nota oficial das centrais sindicais
O mundo assiste, aterrorizado, mais uma onda de violência perpetrada pelo Estado de Israel contra a população palestina da Faixa de Gaza. Os bombardeios e a invasão terrestre pelas forças armadas de Israel já resultaram em centenas de mortes civis – fundamentalmente crianças e mulheres indefesas – e a destruição da já precária infraestrutura urbana de Gaza, onde vivem mais de 1,7 milhão de palestinos.

Fica cada dia mais evidente que a ação do Estado de Israel visa, antes de tudo, inviabilizar a unidade nacional e a construção do Estado da Palestina, reivindicação apoiada pela esmagadora maioria dos países membros da Organização das Nações Unidas e pelas forças democráticas e amantes da paz de todo o mundo.

Frente aos horrores ocasionados pela ofensiva israelense, as Centrais Sindicais brasileiras que assinam a presente nota condenam duramente mais esta agressão contra o povo palestino, e exigem um imediato cessar-fogo e a retirada das tropas da Faixa de Gaza como forma, inclusive, de possibilitar atendimento humanitário à população civil.

Solidários à luta do povo palestino pela sua autodeterminação e independência, conclamamos à comunidade internacional a adoção de medidas efetivas no sentido de garantir a retomada das negociações entre Israel e a Autoridade Palestina para, com base no princípio de dois povos, dois Estados, assegurar uma paz justa e duradoura na região.

Vagner Freitas - presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Miguel Torres - presidente da Força Sindical

Ricardo Patah - presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT)

Adilson Araújo - presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)

José Calixto Ramos - presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST)


***

Carta aberta à presidenta Dilma Rousseff

 
Dirijo-me mui respeitosamente a Vossa Excelência como cidadã brasileira que exerce ativismo pela paz mundial e acompanha com consternação a recente ofensiva lançada pelo governo de Israel contra a Faixa de Gaza. O número de mortes entre os palestinos é elevado e cresce em ritmo acelerado, vitimando principalmente civis e inúmeras crianças inocentes, com a devastação visível da infraestrutura básica para a sobrevivência e de tantos lares.

Embora o discurso do governo israelense busque formas de justificar a agressão contra os palestinos, são flagrantes as violações do Direito Internacional Humanitário, apontadas por diversas organizações de defesa dos direitos humanos e, de forma ainda insuficiente, pela Organização das Nações Unidas.

Saudamos a Declaração de Fortaleza emitida pelos líderes do BRICS, sob a liderança de Vossa Excelência, que contém um posicionamento claro sobre o ocorrido na Palestina. A assimetria de poder e a "punição coletiva" dos palestinos - termo empregado pela ONU - precisa ser esclarecida. Considero necessário que a comunidade internacional condene em peso o massacre sistemático dos palestinos. Não se trata de uma guerra enquanto os palestinos, já submetidos a um bloqueio persistente que empobrece e agrava a sua situação humanitária, são alvos diretos dos bombardeios realizados por ar, terra e mar, e a sua resistência é deslegitimada por Israel enquanto "terrorista".

Apelamos ao governo do Brasil para que tome medidas diretas neste momento de extrema urgência, assim como temos apelado, enquanto parte de um movimento mundial, massivo e extenso, a todos os governos, no esforço para contribuir com a pressão global sobre as autoridades israelenses que comandam a ofensiva e são responsáveis pelas mortes de tantos civis, de tantas crianças, mães e pais.

Sugerimos ações para demonstrar a nossa oposição à agressão, enquanto nação que defende a soberania dos povos, o respeito ao direito internacional e à diplomacia, para condenar de forma prática a agressão já preenchida de flagrantes crimes de guerra. Entre as medidas, destacamos a suspensão de negociações no âmbito do Mercosul para o estabelecimento do livre comércio, assim como o rompimento dos acordos de cooperação militar com Israel. Não podemos permitir que o governo israelense saia novamente impune de mais uma ofensiva tão virulenta contra os palestinos; precisamos fazer o que estiver ao nosso alcance para deter imediatamente esse massacre. As manifestações pelo mundo e inclusive dentro de Israel elevam a voz de uma grande parcela da população do planeta que rechaça a contínua impunidade frente à opressão dos palestinos, levada a cabo há tantas décadas, enquanto o mundo negligencia sua responsabilidade com esse povo martirizado.

Contando com o firme posicionamento do governo brasileiro neste momento trágico, renovo meus protestos da mais elevada estima e consideração.


Cordialmente, Maria do Socorro Gomes Coelho


- Presidenta do Conselho Mundial da Paz e do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz)

São Paulo, 22 de julho de 2014

sábado, 26 de julho de 2014

RELAÇÕES MILITARES ENTRE BRASIL E ISRAEL - O PAPEL CENTRAL DO RIO DE JANEIRO NESTA RELAÇÃO E A FEIRA DA MORTE

buscado no Gilson Sampaio  

 

Via Somos Todos Palestinos


Estudo de caso do Rio de Janeiro
I) Implicações das relações militares entre Brasil e Israel:
De acordo com as estatísticas do Stockholm International Peace Research Institute, durante o mandato do ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim, o Brasil se tornou o quinto maior  importador de armas e tecnologia militar israelenses; quase o dobro da quantidade de exportações de Israel para os EUA. Afim de reforçar ainda mais a cooperação, em 2010 um novo acordo de cooperação em segurança foi firmado, o qual assegura o comércio de tecnologia sensível. Israel é um dos poucos países no mundo onde o exército brasileiro mantém um escritório.
Muitas empresas militares israelenses compraram companhias militares brasileiras, desta forma contribuindo para a desnacionalização da indústria brasileira e, desta maneira,  exploram o crescente mercado de armas na América do Sul e o acesso sem limitações de gastos militares do governo do Brasil.
Esta relação privilegiada do Brasil com o complexo militar-industrial de Israel não só permite a sustentabilidade econômica para a indústria de guerra de Israel, cuja exportação representa 80% dos ganhos, mas, sobretudo, trás graves impactos no Brasil em vários níveis:
a) politicamente:
  • Brasil desempenha um papel de liderança global na defesa dos direitos palestinos e de um Estado Palestino nas fronteiras de 1967. Em contraste com isso:
  • Os contratos militares com Israel financiam as mesmas empresas que estão envolvidas na construção do muro e dos assentamentos (isso inclui quase todas as empresas líderes do setor militar) e que trabalham para que a construção de um Estado palestino seja impossível.
  • Os contratos militares dão sustentabilidade econômica para as guerras israelenses e políticas de ocupação e lucram diretamente da "experiência" adquirida na ocupação de Israel e guerras de agressão.
  • O envolvimento direto do Brasil na economia de guerra de Israel  lhe tira a credibilidade de sua aspiração em ser um  mediador eficaz para uma paz justa na região.
  • O apoio, o patrocínio e os contratos do Estado com empresas israelenses envolvidos na construção do Muro e dos assentamentos está em contradição ao apoio do Brasil ao Relatório da missão de averiguação do Conselho dos Direitos Humanos da ONU sobre o projeto dos assentamentos que destaca que os Estados terceiros têm de assegurar que as empresas comerciais domiciliadas no seu território e / ou sob a sua jurisdição (isto inclui Elbit, IAI e outras empresas israelenses presentes através de suas subsidiárias no Brasil) não violem direitos humanos palestinos em conformidade com o direito internacional.
b) legalmente:
As relações militares com Israel correm o risco de contradizer:
· Art. 4 º da Constituição brasileira, que estabelece a prevalência dos direitos humanos nas relações internacionais.
· A Corte Internacional de Justiça que, em sua decisão de 2004 sobre as consequências legais da construção do muro, por Israel,  em território ocupado palestino confirmou a responsabilidade de Estados terceiros  em não auxiliar e não ajudar atividades ilegais israelenses e de não reconhecer e ajudar ou auxiliar a manutenção de situações ilegais criadas por este.
· Os Princípios de Maastricht sobre obrigações extraterritoriais dos Estados em respeitar, proteger e cumprir com os direitos humanos esclarecem que a responsabilidade do Estado se estende para: "Obrigações relativas aos atos e omissões de um Estado, dentro ou fora do seu território, que têm efeitos sobre o gozo dos direitos humanos fora do território desse Estado”, e "atos e omissões de atores não-estatais agindo sobre as instruções ou sob a direção ou controle do Estado".
· Diretrizes da ONU sobre Direitos Humanos e empresas, aprovadas pelas Nações Unidas em 2012, afirmam claramente que em áreas afetadas por conflitos, “os Estados devem ajudar a garantir que as empresas comerciais que operam nesses contextos não estejam envolvidas com tais abusos". As medidas recomendadas incluem a criação de legislação adequada para evitar negócios que contribuam para violações dos direitos humanos em situações de conflito; retirar o apoio do Estado a partir dessas corporações e explorar a responsabilidade legal e criminal dessas empresas.
c) economicamente:
· Os contratos com a indústria armamentista israelense têm levado ao abandono uma série de projetos nacionais de I&D e projetos I&D com parceiros estratégicos da política externa brasileira (como as negociações sobre o projeto I&D em drones com África do Sul abandonados por Elbit drones, o protótipo rifle Taurus abandonado para a tecnologia da IMI, a tecnologia para bombas guiadas desenvolvidas por Avribras e abandonado por tecnologia da Elbit)
· Empresas israelenses sistematicamente compram empresas brasileiras e contribuem para a desnacionalização oculta da indústria de armas no Brasil, que drena não apenas recursos econômicos para fora do país, mas cria uma dependência contínua de tecnologia israelense.
· A relação privilegiada com o complexo industrial-militar israelense fecha mercados na América do Sul (Venezuela, Bolívia) , no mundo árabe, na Turquia e em muitos países muçulmanos que seguem o boicote da Liga Árabe.
Além disso, essas relações militares estão claramente contrárias aos apelos à solidariedade ao povo palestino:
· Chamados pelas Campanhas de boicotes, desinvestimentos e sanções (BDS) contra Israel (2005): assinado por todos os partidos políticos e mais de 170 organizações da sociedade civil palestina.
·  Chamados Palestinos por um embargo militar imediato (2010): apoiado por organizações da sociedade civil representando dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo e  por muitos  ganhadores do prêmio Nobel da Paz.
· Quando Celso Amorim se tornou Ministro da Defesa, partidos políticos palestinos e a sociedade civil se uniram numa carta expressando sua esperança de que Amorim iria considerar ações relacionadas ao embargo de armas sobre Israel (2011): “Confiamos que você irá agir em sua nova posição para assegurar que a política de defesa do Brasil promova solidariedade e respeito pelos direitos humanos. […] Não pode haver passos efetivos em direção à paz enquanto Israel mantiver o gatilho da arma que aponta para o povo palestino. O Brasil não pode ser um agente efetivo por uma paz justa enquanto financiar essa arma.”
II)
O papel do Rio de Janeiro central nas relações militares entre o Brasil e Israel:
a) Importância da LAAD - Feira Internacional de Defesa e Segurança
  • Na LAAD 2013, 33 empresas israelenses e instituições irão participar1.
  • A LAAD é historicamente o local onde Israel mostrar suas mais recentes armas desenvolvidas no laboratório de guerra israelense ou seja na ocupação e repressão do povo palestino.
  • É também o espaço onde novos contratos são feitos e apresentados. Somente em 2011, os dois principais atores militares israelenses no Brasil lucraram na LAAD, entre outras, das seguintes maneiras:
  • Israel Aerospace Industries (IAI): apresentou o novo Stark IRV, um veículo de reconhecimento desenvolvido pela IAI subsidiária Elta Systems. ELTA Systems foi concedido vários contratos para fornecer radares Airborne Multi-Modo para um cliente sul-americano2. IAI anunciou uma parceria com a brasileira Dígitro realizado por meio da EAE Soluções Aeroespaciais – joint venture entre a IAI e o Grupo Synergy. O objetivo da parceria é fornecer soluções de segurança interna, incluindo soluções integradas para fazer frente aos desafios da Copa do Mundo de 2014 e nos Jogos Olímpicos de 2016, que ocorrerão no Brasil3.
  • Elbit Systems: A Embraer Defesa e Segurança e a AEL Sistemas, uma subsidiária da Elbit Systems Ltd, anunciaram a assinatura de um acordo estratégico que prevê a avaliação de exploração conjunta de sistemas aerotransportados não tripulados, incluindo a potencial criação de uma empresa conjunta no setor4.
b) O complexo militar-industrial israelense no Rio de Janeiro:
· Presença de empresas israelenses no Rio de Janeiro:
o Elbit comprou duas empresas de armas baseados no Rio de Janeiro: Ares Aeroespecial e Defesa SA ("Ares") e Periscópio Equipamentos Optronicos SA ("Periscópio"). Eles operam com 70 trabalhadores no Rio de Janeiro.
o EAE: uma joint venture entre Israel Aerospace Industries e o Grupo Synergy supostamente têm escritórios no Rio de Janeiro e São Paulo.
· Armas israelenses e formadores garantem que cada jogo na Copa do Mundo e nas Olimpíadas são um gol para o apartheid israelense:
o 14 drones construídas por a IAI no valor de 350 milhões de dólares serão utilizados durante os dois megaeventos. Três deles já foram testados durante a Rio+20. A polícia federal brasileira foi treinado em Israel pelas mesmas forças que têm um histórico documentado de matar civis com esses drones.
o Foram acordados cursos especiais para o BOPE em Israel para se preparar para a Copa do Mundo e as Olimpíadas5.
o O secretário de Segurança José Mariano Beltrame vai renovar a frota de caveirões do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil por R$ 6,150 milhões. Global Shield vende os oito carros, gestão da frota e manutenção por cinco anos. Media reports state that O desconto olímpico de cerca de 72% é creditado aos grandes eventos, como a Copa de 2014 e Olimpíada de 2016, quando a empresa de Israel terá no Rio o maior show-room de segurança pública mundial6.
· O uso de instalações civis e militares no Rio de Janeiro para projetos de cooperação com empresas israelenses:
o Bedek IAI subsidiária usa TAP M & E Brasil e manutenção dos centros de produção no aeroporto do Rio de Janeiro.
o Parque de Material Aeronáutico do Galeão (PAMA-GL), no Rio de Janeiro: O aeroparque será usado para testar a modernização da frota dos aviões militares AMX em que as empresas israelenses desempenham um papel fundamental7.
o CAEX, a instalação de testes do Exército Brasileiro de Marambaia, no Rio de Janeiro: Elbit Systems Ltd. realizou testes de aceitação de clientes de sus primeiros UT30BR 30 milímetros torres não tripulados, integrado no 6X6 IVECO, veículo brasileiro Guarani. Relatórios realçam como os palestinos têm sido usados nos teste militares: "O projeto único [...] é baseado na experiência extensiva em campo de batalha em grande escala e conflitos de baixa intensidade"8.
· A polícia e as forças de segurança de Rio de Janeiro formados por empresas militares israelenses e afins:
A reservada Yaman, unidade antiterror da policia de Israel, veio ao Rio de Janeiro trocar experiências com o BOPE9. A progressão em terreno usada no bope-rj é estratégia ensinada por instrutores israelenses10.
A escola contra-terrorismo israelense, que contrata instrutores do exército israelense e ensina doutrinas militares israelenses em seus cursos treina:
Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro,
Policia Civil do Estado do Rio de Janeiro,
Membros do BOPE - Batalhão de Operações Especiais da PMERJ,
Companhia de Policia Militar com Cães –CiaPMCães – PMERJ,
28 BMP – PMERJ,
Guarda Municipal da Cidade do Rio de Janeiro – Grupo de Ações Especiais – GAE,
Guarda Portuária do Rio de Janeiro – DOCAS RIO,
Guardas Municipais de Várias cidades do Estado do Rio de Janeiro,
Escola America de Botafogo (Rio de Janeiro),
DESIPE – RJ,
Grupo de Intervenções Táticas (Agentes penitenciários – Rio de Janeiro)
1 Beryl Davis, BlueBird Aero Systems, ISDS Ltd. - International Security & Defence Systems Ltd. , ImageSat International N.V, Opgal Optronic Industries Ltd, BAT - Beit Alfa Technologies Ltd., Israel Weapon Industries Ltd. (IWI), Reshef Technologies, CAMERO, ISDS INTERNATIONAL, Aeromaoz, Plasan Sasa Ltd, CONTROP Precision Technologies Ltd., DSIT Solutions Ltd., Netcom Malam Team International, Israel Aerospace Industries Ltd. (IAI), Mistral Group, Ness TSG, UVision Global Aero Systems, SIBAT Israel Ministry of Defence, Beth - El Zikhron, Yaaqov Industries Ltd., Hatehof  Industries (Brand Group) Ltd., Dynamic Jet Engineering Ltd. (DJE), Gilat Satellite Networks Ltd., Amicell - Amit Industries Ltd, Dignia Systems Ltd., Israel Military Industries Ltd. (IMI), Rafael Advanced Defense Systems Ltd., Elbit Systems Ltd., MEPROLIGHT,ARES, AEL Sistemas

Documento da Organização Palestina Stop the Wall, Campanha Popular Palestina contra o Muro da Apartheid.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

ISRAEL É O 5° MAIOR EXPORTADOR DE ARMAS PARA O BRASIL



 buscado no Somos Todos Palestino

 
 O comércio na área de "segurança" entre os dois países revela que, apesar das ofensas, o Brasil não é nenhum "anão"

 


A acusação de "irrelevância diplomática" do Brasil feita por Israel acabou ferindo o orgulho ufanista de alguns brasileiros.
Mas para além da retórica diplomática, é necessário observar os fatos. Como diria um grande professor, o direito - e aqui incluo a diplomacia - tem sua importância maior não pelo que diz, mas pelo que não diz.
Se a condenação feita ao massacre dos palestinos é um ponto positivo, talvez a falta de referência às intensas trocas comerciais entre os dois países deixe em suspenso a materialidade das relações. Para que se tenha aviões, bombas, drones, armas e munições, é preciso recursos. E nisso, o Brasil é cúmplice.
O comércio na área de "segurança" entre os dois países revela que, apesar das ofensas, o Brasil não é nenhum "anão".
O mercado não é somente intenso e movimenta bilhões de dólares, mas também é uma área que cresce cada vez mais - às custas do povo palestino e da população periférica, pobre e preta do Brasil.
Entre 1993 e 2013, o Brasil negociou com Israel ao menos 10 contratos de compra e venda de armamento e tecnologias militares, com o valor total de no mínimo US$285 milhões. Segundo a revista israelense Defense Update, tais contratos já passam de US$ 1 bilhão. Em 2010 - mesmo ano em que o país reconheceu o Estado Palestino nas fronteiras de 1967 - os países firmaram um acordo de cooperação bilateral na área de defesa, apontando para oportunidades que "possam valer bilhões de dólares" (http://tinyurl.com/prejtm2). Os produtos israelenses chegam com o selo de "testado em campo": ou seja, "testados" contra a população palestina.
Nesse período, também, o total em importações de Israel foi de ao menos US$ 187 milhões. O que torna Israel o 5o maior exportador de armas para o Brasil, atrás somente do Reino Unido, Alemanha, França e EUA. (http://www.sipri.org/)
A principal parceira comercial israelense na área de defesa no Brasil é a Elbit Systems, que, junto com a Embraer Defesa e Segurança, comandam sua filial local, a AEL Sistemas. A Elbit Systems é uma das principais fornecedoras de equipamentos militares para o exército israelense, auxiliou na construção do Muro do Apartheid e ajuda na construção dos assentamentos em terras palestinas. O intercâmbio com o Brasil tanto de tecnologia como de pessoal também é assegurado. Segundo a própria empresa “…destacamos a participação de engenheiros e programadores da empresa, no desenvolvimento de novos e sofisticados produtos e sistemas, nas instalações da Elbit Systems Ltd., em Israel, exercitando efetiva transferência de tecnologia. Ao retornarem ao Brasil, compõem, com os demais especialistas da empresa, o grupo de elite da eletrônica embarcada brasileira na AEL." A empresa está quadruplicando sua área construída, o que significa que os negócios estão prosperando. (http://tinyurl.com/lrct9y7)
Mas não só na área de "segurança internacional" a parceria entre os dois países é grande. Também na "segurança pública" o intercâmbio tanto de armas de pequeno porte como de expertise é alto. A venda de drones israelenses para a PF, o intercâmbio de métodos e técnicas policiais, e a venda de armas de pequeno porte são também outra face do mercado de segurança entre os países.
Entre 2007 e 2011, o Brasil aparece 3 vezes como um dos maiores exportadores de armas leves a Israel - um mercado que vem se expandindo cada vez mais. Contudo, vale constar que Israel não reporta a importação dessas armas para o banco de dados de trocas comerciais da ONU. O que leva a crer que a quantidade e a cifra que gira em torno desse comércio é muito maior. (http://www.smallarmssurvey.org/)
Se, de um lado, as declarações do MRE são positivas, para que se possa trazer resultados reais, as ações têm de ser concretas. Discursos cheios de significados são importantes, mas não asseguram a diminuição do sofrimento do povo palestino.

É preciso agir.



Mensagem do cirurgião norueguês Mads Gilbert diretamente do hospital SHIFA, em Gaza, Palestina.






Queridos amigos,

A noite passada foi muito dura para todos nós aqui. A "invasão por terra" em Gaza provocou dezenas de mortos e um montão de mutilados, feridos, ensanguentados e moribundos. Todos palestinos, de todas as idades. Todos civis e que nada têm a ver com essa guerra fraticida.
Os enfermeiros e voluntários/as são verdadeiros herois que estão passando com as ambulâncias em meio aos escombros para ver se conseguem salvar ainda algumas vítimas. Estão trabalhando todos 24 horas por dia, quase caindo de cansaço e sob o peso de um trabalho desumano, além de não receberem nenhum pagamento. Há quatro meses, o hospital Shifa não tem dinheiro para pagar a ninguém. Assim mesmo, os funcionários estão correndo atrás de sangue e de leitos para socorrer esses seres humanos que são mortos pelo Estado de Israel como se fossem mosquitos. E são seres humanos...
Como médico, só posso testemunhar minha profunda admiração pelos voluntários e minha proximidade espiritual dessa resistência ("sumud") palestina. Verdadeiros mártires que nos dão força, mesmo se somente em vê-los, tenho vontade de gritar de dor, de chorar. Muitos pais, agarrados a uma criança, morta ou ferida, coberta de sangue, para lhe proteger em um abraço sem fim, mas nós temos de lhes dizer: nos entreguem suas crianças. Isos é perigoso. Elas e vocês podem morrer.
   E de repente, um barulho, uma explosão, mais cinzas... Aí vem outras dezenas de ensanguentados e feridos. Verdadeiro lago de sangue no nosso átrio de emergência. São mais de cem casos chegados nessa noite ao hospital e aqui já não temos eletricidade, nem água, nem material de curativo, remedios, nada. E o próprio hospital teve uma ala bombardeada e está em escombros. 
É difícil acreditar que tudo isso está acontecendo apenas para que o Estado de Israel possa firmar sua ocupação militar nos territórios palestinos, sob qualquer pretexto, como esse da morte de três adolescentes judeus. Às vezes, custa a acreditar que, em pleno século XXI, uma coisa dessas possa estar acontecendo.
   Preciso parar essa mensagem porque exatamente nesse minuto, escuto a orquestra macabra da máquina de guerra israelita, com sua artilharia atirando diretamente de navios no porto sobre as pessoas que passam nas ruas, os F16 norteamericanos que rugem sobre o nosso céu e os aviões não pilotados (Zenanis) que passam muito baixo quase sobre nossas cabeças. Tudo pago pelos Estados Unidos e países ocidentais que financiam tudo isso.  
   Convido o presidente dos Estados Unidos e as pessoas que ainda acham que o Estado de Israel possa ter alguma razão de vir aqui passar uma noite no nosso hospital - uma noite no Shifa Hospital basta. 
    Por favor, nos ajudem a pôr fim a esse massacre. 
    Se vocês se omitem e fazem de conta de não saberem, serão cúmplices diante de Deus de tanto sangue derramado. Em nome do Deus de todas as crenças, façam o que puderem para parar esse massacre. Isso não pode continuar.

       Dr. Mads Gilbert, norueguês sem religião, sem partido político, mas com humanidade no coração.  

         (traduzi como podia do italiano)