Baixar livros

 

Michel Foucault

buscado no   Centro de Memória da Bahia


Confira o livro "Michel Foucault: sexualidade, corpo e direito", organizado por L uís Antônio Francisco de Souza, Thiago Teixeira Sabatine e Bóris Ribeiro de Magalhães.

acesse:
http://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/foucault_book.pdf

 


"Para download: edição integral de A ideologia alemã, de Karl Marx e Friedrich Engels.
Traduzida diretamente do alemão para o português por Rubens Enderle, Nélio Schneider e Luciano Martorano, com texto final de Rubens Enderle, a edição da Boitempo tem introdução escrita por Emir Sader e supervisão editorial de Leandro Konder, um dos maiores estudiosos do marxismo no Brasil. Além disso, será a versão mais fiel aos originais deixados pelos autores, pois é a primeira no mundo traduzida a partir da inovadora Mega-2.
Disponível para download gratuito no link:"

 


Baixe grátis o e-book com material para estudar para o ENEM: http://bit.ly/1m9L51Q
Nesse e-book você vai encontrar:
- Dicas incrivelmente úteis para estudar para o vestibular
- Redação + História: ‪#‎BeijinhoNoOmbro‬: A Fantástica Transformação da Imagem da Mulher ao Longo da História
- Redação + Geografia: Combate às Drogas: Porque Esse Pode Ser o Maior Desafio Atual da Humanidade
- Redação + Literatura: O que a Construção da Identidade Nacional Brasileira nas Artes tem a ver com a Sua Redação Nota 1000
- Redação + Filosofia: Pensadores (e Pensamentos!) Essenciais para Quem Vai Fazer a Redação do ENEM
- Redação + Geografia: Uma Aula para te Fazer Entender de Vez o Cenário de Intolerância no Mundo Contemporâneo

Baixe agora: http://bit.ly/1m9L51Q

 

 
 

Buscado no blog Charlezine

 http://charlezine.com.br/colecao-os-pensadores-nova-cultural/


Coleção “Os Pensadores” – Nova Cultural


nova cultural logo

A coleção “Os Pensadores” foi uma iniciativa única no Brasil de publicação das obras mais influentes do pensamento ocidental. Foi publicada originalmente pela editora Abril Cultural, na década de 1970. Nas últimas décadas, a Abril Cultural separou-se do grupo Abril, passando então a se chamar Nova Cultural. Atualmente, a coleção “Os Pensadores” publica obras de referência obrigatória para a grande maioria dos cursos universitários de ciências humanas no Brasil, especialmente os de filosofia. Ao todo, são mais de 50 volumes publicados, dos quais consegui reunir boa parte em arquivo PDF neste post. Alguns volumes contam apenas com as introduções biográficas sobre o autor, sem os textos clássicos.

Baixe a vontade e bons estudos!

__________











11 - Erasmo de Rotterdam












23 - George Berkeley





28 - Georg Hegel






34 - Gottlob Frege




38 – Sigmund Freud


40 - Maurice Merleau-Ponty

41 - Bertrand Russell

42 - Karl Popper

43 - Jean-Paul Sartre




47 - Jürgen Habermas

48 - Claude Lévi-Strauss



Abaixo comentários do blog Charlezine indicanndo novos livros


https://dl.dropboxusercontent.com/u/17063728/Walter%20Benjamin%20-%20Max%20Horkheimer%20-%20Theodor%20
Adorno%20-%20Jurgen%20Habermas%20-%20Os%20pensadores%20-%20
Textos%20Escolhidos%20-%20Teoria%20Crítica%20-%20Escola%20de%20Frankfurt.pdf

berkeley, george. coleção os pensadores - Baixar - 4shared


http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&cad=rja&uact=8&ved=0CCUQFjAB&url=http%3A%2F%2Fwww.4shared.com%2Foffice%2FT8wzVqKv%2
Fberkeley_george_coleo_os_pensa.html%3Flocale%3Dpt-BR&ei=dM6sU96xGu3NsQTS7YCoDQ&usg=AFQjCNFaeq0VJeTPE3P7P2QO6n0_z-dFMQ&sig2=e6toyJGJsPAZw4r2k2z2xg&bvm=bv.69837884,d.cWc

www.4shared.com/office/T8wzVqKv/berkeley_george_coleo_os_pensa....


berkeley, george. coleção os pensadoresdownload from 4shared. ... os pensadores está hospedado no serviço 4shared grátis de compartilhamento de arquivos. Marcadores: berkeley, george. coleção os pensadores office ... Código HTML.





 buscado no Spresso SP




15 sites para baixar livros grátis na internet

   
 
Confira a lista de sites que disponibilizam obras para download

Por Igor Carvalho



Livros clássicos da literaturamundial podem ser baixados na internet

Em tempos de compartilhamentos de arquivos, os livros também estão na internet pra baixar. E vários sites disponibilizam obras para download gratuitamente incentivando o conhecimento livre. O SPressoSP selecionou alguns sites que oferecem essa possibilidade, com características e acervos distintos. A maioria publica livros que já estão em domínio público, ou seja, de autores que tenham morrido há mais de 70 anos. Confira.

1 Biblioteca Digital Mundial – Com 4.778 títulos, o acervo é multilíngue e trabalha com forte predominância de manuscritos, mapas, partituras, fotografias e desenhos arquitetônicos. É um site criado pela Biblioteca dos EUA, que recebe doações de outras bibliotecas e museus de países distintos, porém, não há o tradução, as obras são apresentadas no idioma de origem. Um mapa mundi, na abertura do site, ajuda a coordenar a busca por ano e país.

2 Domínio Público – O site  é uma iniciativa do governo federal e reúne mais de 186 mil obras, que são encontradas facilmente nas ferramentas de busca. É possível encontrar clássicos internacionais traduzidos para o português.

3 Projeto Gutenberg – Trabalha com a mesma lógica de disponibilização de livros que se tornaram domínio público, são de 38 mil obras. O site é a primeira grande coleção de livros grátis.

4 Biblioteca Digital CamõesA iniciativa desse site é do Instituto Camões, do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal. A busca é muito fácil, no site, e o acervo compreende, principalmente, obras lusitanas, mas se expande para outros países de língua portuguesa. Os livros mais recentes não podem ser baixados, somente lidos online.

5 BrasilianasAlguns livros difíceis de encontrar nas prateleiras físicas das bibliotecas e sebos, podem ser baixados nesse site. São mais de 3 mil obras. A iniciativa é da Universidade de São Paulo (USP).

6 Virtual BooksOs livros podem ser baixados em seis idiomas, também há resumos de jornais, entrevistas, artigos e crônicas.

7 Machado de Assis – O site, criado pelo Ministério da Educação, disponibiliza a obra completa d
o escritor – em pdf ou html – para leitura online. Estão lá crônicas, romances, contos, poesias, peças de teatro, críticas e traduções.

8 Unesp Aberta - É uma iniciativa da reitoria da Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita”. O site disponibiliza gratuitamente  os recursos pedagógicos digitais desenvolvidos para os cursos da Universidade.

9 eBooks Brasil – Oferece livros eletrônicos gratuitamente, só pede que nenhum material do site seja utilizado comercialmente.

10 Brasiliana – Em fevereiro de 2009, o Laboratório da Brasiliana USP foi implantado em sede provisória junto ao canteiro da obra da nova sede da Biblioteca Mindlin na Universidade de São Paulo (USP). São disponibilizados livros para download de forma legal. Há livros raros e documentos históricos, manuscritos e imagens.

11 Open Library – Projeto já tem mais de 18 mil membros e busca catalogar todos os livros publicados no mundo, já tem 1 milhão de títulos disponíveis para download. Podem ser encontrados livros em cerca idiomas.

 12 Universia – Reúne mais de mil livros, inclusive clássicos da literatura, como Dostoiévski e Tolstoi.

13 Casa de José de Alencar – A Casa de José de Alencar está situada no Sítio Alagadiço Novo, no bairro de Messejana, Fortaleza-CE e foi adquirido em 1825 pelo padre José Martiniano de Alencar, pai do escritor cearense. Na internet a casa disponibiliza a obra na biblioteca virtual em pdf.

14 Blog Mídia 8 – O blog disponibiliza 486 livros de comunicação para download.

15 Read Print – São milhares de livros grátis, em inglês, de autores cores clássicos como Sheakspeare.






buscado no Face de  Rosa Paz compartilhou a foto de Secti Bahia.
20 obras da escritora Clarice Lispector, como A Hora da Estrela, A Legião Estrangeira, A Maça no Escuro estão para download gratuito. Clarice Lispector (1920-1977) foi escritora e jornalista brasileira, de origem judia, reconhecida como uma das mais importantes escritoras do século XX. A ‪#‎tecnologia‬ permite o acesso e compartilhamento de conhecimento, então confira: http://bit.ly/1jQMfKh




 buscado no Facebook
: http://sdrv.ms/10gKcrU ( GRÁTIS)
Sinopse - Cartas à Guiné-Bissau - Registros de uma experiência em processo - Paulo Freire
Cartas à Guiné-Bissau é um livro comovente, ao deixar transbordar o verdadeiro sentido da ajuda, aquela em cuja prá..











 buscado no Facebook

Este é um dos links para fazer o download do livro: http://gdpoderoso.bubok.pt/







Para ver online: livro sobre arte do cartaz em Cuba

Cuba en vallas
el imaginario de la Revolución cubana
a través de sus vallas políticas







buscado aqui

Obras

A escolha das obras levou em consideração o seu estado de conservação (algumas foram restaurados, outra receberam apenas pequenos reparos), a sua importância para pesquisa e a diversidade de temas e idiomas, tentando atender ao maior número de usuários possível.
A descrição destes livros teve apenas um caráter de registro, visto que todo seu conteúdo está disponível neste site. Através do colacionamento na análise bibliológica, porém, foi possível identificar algumas nuances que podem interessar a pesquisadores.
Não foi nossa intenção discorrer sobre a raridade dessas obras, por isso as notas restringem-se aos aspectos materiais do exemplar em mãos, mencionando-se o fato de haver ou não exemplares da mesma edição em outras bibliotecas nacionais e estrangeiras.
Acreditamos que momentaneamente esta descrição acompanhando os livros digitalizados cumprirá seu papel de divulgar e facilitar o acesso, mesmo que remoto, à parte de nosso valioso acervo bibliográfico. Embora saibamos que a amostra é mínima frente ao tamanho do acervo, nossa intenção é continuar ampliando o número de obras disponíveis paulatinamente.



 
buscado no face  de  Renata Nogueira de Holanda 
que compartilhou a foto de IFCE Campus de Fortaleza.

Conheça e acesse a Biblioteca Virtual Universitária: www.fortaleza.ifce.edu.br/bvu




buscado no Face 

"DOWNLOAD GRATUITO - A obra “Retrato da Repressão Política no Campo - Brasil 1962-1985 - Camponeses torturados, mortos e desaparecidos”, de autoria de Marta Cioccari e Ana Carneiro, reúne relatos de trabalhadores e líderes que sofreram agressões durante o regime militar no Brasil."

  http://www.nead.gov.br/portal/nead/publicacoes/download_orig_file?pageflip_id=10775319

DOWNLOAD GRATUITO - A obra “Retrato da Repressão Política no Campo - Brasil 1962-1985 - Camponeses torturados, mortos e desaparecidos”, de autoria de Marta Cioccari e Ana Carneiro, reúne relatos de trabalhadores e líderes que sofreram agressões durante o regime militar no Brasil. 
 
http://www.nead.gov.br/portal/nead/publicacoes/download_orig_file?pageflip_id=10775319

 
 

Disponível para consulta 10.000 documentos do Departamento de Estado dos EUA sobre o Brasil produzidos entre 1963-73.

 


Buscado no Prestes A Resurgir


Opening the Archives Project é um esforço conjunto da Brown University e da Universidade Estadual de Maringá para digitalizar e indexar 10.000 documentos do Departamento de Estado dos EUA sobre o Brasil produzidos entre 1963-73 e torná-los disponíveis para o público em um site de acesso livre.

Acesse o Brown Digital Repository para efetuar sua pesquisa no acervo digital. Mais documentos estão atualmente sendo adicionados ao banco de dados.





Opening the Archives Project é uma iniciativa ambiciosa organizada pela Brown University e a Universidade Estadual de Maringá para sistematicamente digitalizar e indexar milhares de documentos desclassificados do Departamento de Estado dos Estados Unidos relativos ao Brasil produzidos entre 1960 e 1980. Os documentos podem ser consultados em sites espelho criados por ambas as universidades. Estes sites também apresentarão milhares de páginas de relatórios de inteligência da CIA até então disponíveis exclusivamente na sede do National Archives II, em College Park, Maryland.

Para realizar essa tarefa, o Opening the Archives Project colaborou com o National Archives and Records Administration (NARA), o Arquivo Nacional do Brasil, e com a National Security Archive na George Washington University para preservar documentação histórica essencial através da criação de cópias digitais acessíveis online.

Durante o inverno de 2013, uma equipe de alunos da Brown University e da Universidade Estadual de Maringá escanearam 9.872 documentos do Departamento de Estado sobre o Brasil produzidos entre 1963 e 1973, cerca de metade da documentação para o período sob consideração. O período de 1964 a 1969 foi especialmente turbulento e historicamente significativo para a história brasileira do século XX. Por essa razão, o Opening the Archives Project decidiu concentrar-se neste intervalo para a primeira fase de operações.

Este projeto, com o apoio fundamental da Brown University Libraries, facilita o acesso aberto a uma importante fonte de documentos primários, contribuindo para a reconstrução da história das relações Brasil–Estados Unidos de 1960 a 1980. O Opening the Archives Project reflete o profundo compromisso acadêmico que a Brown University tem com o Brasil e com a construção de colaborações duradouras com parceiros brasileiros, reforçando a meta da universidade de se tornar um dos principais centros para o estudo do Brasil nos Estados Unidos.


 
 
buscado no Café História 



O livro “O poder da cultura e a cultura no poder: a disputa simbólica da herança cultural negra no Brasil” encontra-se disponível para download gratuito e autorizado. Para baixar o livro de Jocélio Teles dos Santos, acesse: http://goo.gl/WoSfrp






Libros de Atilio Boron para download

buscado no Prestes A Resurgir 




EL TERRORISMO DE ESTADO EN LA ARGENTINA



de Osvaldo BAYER, Atilio BORON y Julio C. GAMBINA, con una sección documental a carto de Elvira BARILLARO y Francisca LA GRECA. Un texto imprescindible para estudiar lo que fue la dictadura genocida cívico-militar de 1976-1983.






ESTADO, CAPITALISMO Y DEMOCRACIA EN AMÉRICA LATINA.



Un libro agotado hace largos años después de múltiples ediciones en lengua castellano. La única que todavía existe es la que publicara Ediciones Hiru en España.






TRAS EL BÚHO DE MINERVA.



Un estudio filosófico-politico sobre la mal llamada "democracia burguesa".






IMPERIO & IMPERIALISMO

https://docs.google.com/file/d/0Bx2YC3gJbq2TMjExMTU0MGUtMjY2ZC00ZDg0LTljOWUtODIyMDZkNzM4YTRh/edit




Disponível para download gratuito o livro "Retrato da Repressão Política no Campo - Brasil 1962 – 1985. Camponeses torturados, mortos e desaparecidos", de Ana Carneiro e Marta Cioccari. 




 

Co­le­ção Edu­ca­do­res: 62 obras sobre educação para download



 buscado no Vermelho

 

O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, em par­ce­ria com a Unes­co e a Fun­da­ção Jo­a­quim Na­bu­co, dis­po­ni­bi­li­za pa­ra downlo­ad a Co­le­ção Edu­ca­do­res, uma sé­rie com 62 li­vros so­bre per­so­na­li­da­des da edu­ca­ção. A co­le­ção traz en­sai­os bi­o­grá­fi­cos so­bre 30 pen­sa­do­res bra­si­lei­ros, 30 es­tran­gei­ros, e dois ma­ni­fes­tos: “Pi­o­nei­ros da Edu­ca­ção No­va”, de 1932, e “Edu­ca­do­res”, de 1959.  


A es­co­lha dos no­mes pa­ra com­por a co­le­ção foi fei­ta por re­pre­sen­tan­tes de ins­ti­tu­i­ções edu­ca­cio­nais, uni­ver­si­da­des e Unes­co.
O cri­té­rio pa­ra a es­co­lha foi re­co­nhe­ci­men­to his­tó­ri­co e o al­can­ce de su­as re­fle­xões e con­tri­bui­ções pa­ra o avan­ço da edu­ca­ção no mun­do. No Bra­sil, o tra­ba­lho de pes­qui­sa foi fei­to por pro­fis­si­o­nais do Ins­ti­tu­to Pau­lo Frei­re. No pla­no in­ter­na­ci­o­nal, foi tra­du­zi­da a co­le­ção Pen­seurs de l’édu­ca­ti­on, or­ga­ni­za­da pe­lo In­ter­na­ti­o­nal Bu­re­au of Edu­ca­ti­on (IBE) da Unes­co, em Ge­ne­bra, que reú­ne al­guns dos mai­o­res pen­sa­do­res da edu­ca­ção de to­dos os tem­pos e cul­tu­ras.

In­te­gram a co­le­ção os se­guin­tes edu­ca­do­res/pen­sa­do­res: Al­ceu Amo­ro­so Li­ma, Al­fred Bi­net, Al­mei­da Jú­ni­or, An­drés Bel­lo, An­ton Maka­renko, An­to­nio Gram­sci, Aní­sio Tei­xei­ra, Apa­re­ci­da Joly Gou­veia, Ar­man­da Ál­va­ro Al­ber­to, Aze­re­do Cou­ti­nho, Ber­tha Lutz, Bog­dan Su­cho­dolski, Carl Ro­gers, Ce­cí­lia Mei­re­les, Cel­so Su­cow da Fon­se­ca, Cé­les­tin Frei­net, Darcy Ri­bei­ro, Do­min­go Sar­mi­en­to, Dur­me­val Tri­guei­ro, Ed­gard Ro­quet­te-Pin­to, Fer­nan­do de Aze­ve­do, Flo­res­tan Fer­nan­des, Fre­de­ric Skin­ner, Fri­e­drich Frö­bel, Fri­e­drich He­gel, Fro­ta Pes­soa, Ge­org Kers­chen­stei­ner, Gil­ber­to Freyre, Gus­ta­vo Ca­pa­ne­ma, Hei­tor Vil­la-Lo­bos, He­le­na An­ti­poff, Hen­ri Wal­lon, Hum­ber­to Mau­ro, Ivan Il­lich, Jan Amos Co­mê­nio, Je­an Pi­a­get, Je­an-Jac­ques Rous­se­au, Je­an-Ovi­de De­croly, Jo­hann Her­bart, Jo­hann Pes­ta­loz­zi, John Dewey, Jo­sé Mar­tí, Jo­sé Má­rio Pi­res Aza­nha, Jo­sé Pe­dro Va­re­la, Jú­lio de Mes­qui­ta Fi­lho, Liev Se­mio­no­vich Vygotsky, Lou­ren­ço Fi­lho, Ma­no­el Bom­fim, Ma­nu­el da Nó­bre­ga, Ma­ria Mon­tes­so­ri, Ní­sia Flo­res­ta, Or­te­ga y Gas­set, Pas­cho­al Lem­me, Pau­lo Frei­re, Ro­ger Cou­si­net, Rui Bar­bo­sa, Sam­paio Dó­ria, Sig­mund Freud,Val­nir Cha­gas, Édou­ard Cla­pa­rè­de e Émi­le Durkheim.


Para acessar click aqui.

http://pt.slideshare.net/policialbr/o-livro-secreto-do-exrcito   

 


buscado no Revista Biografia

120 obras filosóficas do século XX para Download -Sartre, Heidegger, Ricoeur, Bergson, Bachelard e outros. [Revista Biografia]



120 obras filosóficas do século XX para Download -Sartre, Heidegger, Ricoeur, Bergson, Bachelard e outros.



Boa leitura!

Para fazer o download das obras clique no link abaixo:

Google Drive:
 




buscado no Rússia Show

Manual de Língua Russa: A língua russa elementar (Marina Dolenga)

Gramática elementar da língua russa, com exercícios de tradução. 
Editora Globo, 1995.
Em formato PDF

Para baixar o manual, copie e cole na barra de seu navegador
o endereço a seguir:

http://lix.in/-d96630






Troque livros com pessoas de todo o Brasil. Veja como é fácil:
1. Você cria uma lista dos seus livros que deseja trocar
2. Quando outro usuário solicitar algum livro da sua lista, você o envia pelo correio
3. Você confirma o envio e ganha 1 crédito para solicitar 1 livro
http://www.trocandolivros.com.br/




buscado no Copyleft – Manual de uso

Tradução coletiva e voluntária do livro “Copyleft – Manual de Uso”, publicado originalmente pela editora espanhola Traficantes de Sueños.
Você também pode ajude a revisar e a divulgar, compartilhando o livro com quem conhecer. Afinal, a informação é livre para todas e todos.
Tradução finalizada! Obrigado a todos e todas que já ajudaram na tradução!


VERSÃO EM PDF DA TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS








buscado no Sistema de Bibliotecas blog

Todos os livros de Michel Foucault para download gratuito

 


Nesse site do grupo de estudos foucaultianos, todos os livros do filósofo francês estão disponibilizados para download gratuito, assim como livros de comentadores e leituras introdutórias.
http://geffoucault.blogspot.com.br/p/livros-para-download.html

Fonte: Biblioteca MPT/RN







Paradidático "Ditadura militar e democracia no Brasil: história, imagem e testemunho", organizado por Maria Paula Araujo, Izabel Pimentel da Silva e Desirree dos Santos Reis. Vale a pena conferir!
http://www.historia.ufrj.br/pdfs/2013/livro_ditadura_militar.pdf







buscado no Canal do ensino

Para ampliar seu conhecimento,


Boa leitura!





BUSCADO NO CATRACA LIVRE

Dia 20 de novembro é comemorado o Dia da Consciência Negra. A data foi escolhida por coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. Para celebrar essa data especial, selecionamos uma Coleção de livros em PDF intitulada “História Geral da África”. Publicada em 8 volumes pela Unesco, o apanhado é um grande marco no processo de reconhecimento do patrimônio cultural da África.



divulgação
Alguns dos assuntos a refletir: inserção do negro no mercado de trabalho e cotas universitárias

Mais de 350 especialistas colaboraram com seus conhecimentos para a produção da coleção sob a direção de um Comitê Científico Internacional formado por 39 intelectuais, dos quais dois terços eram africanos.

Entre os livros para baixar, gratuitamente, estão “África Antiga” de Gamal Mokhtar, “África desde 1935” de Ali A. Mazrui, ”África do século VII ao XI” de Mohammed El Fasi, ”África do século XII ao XVI” de Djibril Tamsir Niane, ”África do século XIX à década de 1880” de J. F. Ade Ajayi, ”África do século XVI ao XVIII” de Bethwell Allan Ogot, ”África sob dominação colonial, 1880-1935” de Albert Adu Boahen e “Metodologia e pré-história da África“, de Joseph Ki-Zerbo.

 


 

Frantz Fanon: Pele negra máscaras brancas - Download


buscado no Geledés 
Frantz Fanon Pele negra máscaras brancas
Frantz Fanon - Pele negra máscaras brancas
Tradução de Renato da Silveira Prefácio de Lewis R. Gordon 

Falo de milhões de homens em quem deliberadamente inculcaram o medo, o complexo de inferioridade, o tremor, a prostração, o desespero, o servilismo.


( Aimé Césaire, Discurso sobre o colonialismo)

******************

A explosão não vai acontecer hoje. Ainda é muito cedo... ou tarde demais.
Não venho armado de verdades decisivas.
Minha consciência não é dotada de fulgurâncias essenciais. Entretanto, com toda a serenidade, penso que é bom que certas coisas
sejam ditas.
Essas coisas, vou dizê-las, não gritá-las. Pois há muito tempo que o
grito não faz mais parte de minha vida.

Faz tanto tempo...
Por que escrever esta obra? Ninguém a solicitou.
E muito menos aqueles a quem ela se destina.
E então? Então, calmamente, respondo que há imbecis demais neste
mundo. E já que o digo, vou tentar prová-lo. Em direção a um novo humanismo...
À compreensão dos homens... 

Nossos irmãos de cor...
Creio em ti, Homem...
O preconceito de raça...
Compreender e amar...

De todos os lados, sou assediado por dezenas e centenas de páginas que tentam impor-se a mim. Entretanto, uma só linha seria suficiente. Uma única resposta a dar e o problema do negro seria destituído de sua importância.

Que quer o homem?
Que quer o homem negro?
Mesmo expondo-me ao ressentimento de meus irmãos de cor, direi

que o negro não é um homem.

Há uma zona de não-ser, uma região extraordinariamente estéril e árida, uma rampa essencialmente despojada, onde um autêntico ressurgimento pode acontecer. A maioria dos negros não desfruta do benefício de realizar esta descida aos verdadeiros Infernos.

O homem não é apenas possibilidade de recomeço, de negação. Se é verdade que a consciência é atividade transcendental, devemos saber também que essa transcendência é assolada pelo problema do amor e da compreensão. O homem é um SIM vibrando com as harmonias cósmicas. Desenraizado, disperso, confuso, condenado a ver se dissolverem, uma após as outras, as verdades que elaborou, é obrigado a deixar de projetar no mundo uma antinomia que lhe é inerente.
O negro é um homem negro; isto quer dizer que, devido a uma série de aberrações afetivas, ele se estabeleceu no seio de um universo de onde será preciso retirá-lo.
O problema é muito importante. Pretendemos, nada mais nada menos, liberar o homem de cor de si próprio. Avançaremos lentamente, pois existem dois campos: o branco e o negro.
Tenazmente, questionaremos as duas metafísicas e veremos que elas são freqüentemente muito destrutivas.
Não sentiremos nenhuma piedade dos antigos governantes, dos antigos missionários. Para nós, aquele que adora o preto é tão “doente” quanto aquele que o execra.
Inversamente, o negro que quer embranquecer a raça é tão infeliz quanto aquele que prega o ódio ao branco.
Em termos absolutos, o negro não é mais amável do que o tcheco, na verdade trata-se de deixar o homem livre. 
Este livro deveria ter sido escrito há três anos... Mas então as verdades nos queimavam. Hoje elas podem ser ditas sem excitação. Essas verdades não precisam ser jogadas na cara dos homens. Elas não pretendem entusiasmar. Nós desconfiamos do entusiasmo. Cada vez que o entusiasmo aflorou em algum lugar, anunciou o fogo, a fome, a miséria... E também o desprezo pelo homem.
O entusiasmo é, por excelência, a arma dos impotentes. Daqueles que esquentam o ferro para malhá-lo imediatamente. Nós pretendemos aquecer a carcaça do homem e deixá-lo livre. Talvez assim cheguemos a este resultado: o Homem mantendo o fogo por autocombustão.
pele-negra-mascaras-brancas
O Homem liberado do trampolim constituído pela resistência dos outros, ferindo na própria carne para encontrar um sentido para si.
Apenas alguns dos nossos leitores poderão avaliar as dificuldades que encontramos na redação deste livro.
Em uma época em que a dúvida cética tomou conta do mundo, em que, segundo os dizeres de um bando de cínicos, não é mais possível distinguir o senso do contra-senso, torna-se complicado descer a um nível onde as categorias de senso e contra-senso ainda não são utilizadas.
O negro quer ser branco. O branco incita-se a assumir a condição de ser humano.
Veremos, ao longo desta obra, elaborar-se uma tentativa de compreensão da relação entre o negro e o branco.
O branco está fechado na sua brancura.
O negro na sua negrura.
Tentaremos determinar as tendências desse duplo narcisismo e as

motivações que ele implica.
No início de nossas reflexões, pareceu-nos inoportuno explicitar as

conclusões que serão apresentadas em seguida.
Nossos esforços foram guiados apenas pela preocupação de por fim

a um círculo vicioso.
Mas também é um fato: alguns negros querem, custe o que custar,

demonstrar aos brancos a riqueza do seu pensamento, a potência respeitável do seu espírito.
Como sair do impasse?
Há pouco utilizamos o termo narcisismo. Na verdade, pensamos que só uma interpretação psicanalítica do problema negro pode revelar as anomalias afetivas responsáveis pela estrutura dos complexos. Trabalhamos para a dissolução total desse universo mórbido. Estimamos 
que o indivíduo deve tender ao universalismo inerente à condição humana. Ao pretendermos isto, pensamos indiferentemente em homens como Gobineau ou em mulheres como Mayotte Capécia. Mas, para se chegar a esta solução, é urgente a neutralização de uma série de taras, seqüelas do período infantil.
A infelicidade do homem, já dizia Nietzsche, é ter sido criança. Entretanto não podemos esquecer, como lembra Charles Odier, que o destino do neurótico está nas suas próprias mãos.
Por mais dolorosa que possa ser esta constatação, somos obrigados a fazê-la: para o negro, há apenas um destino. E ele é branco.
Antes de abrir o dossiê, queremos dizer certas coisas. A análise que empreendemos é psicológica. No entanto, permanece evidente que a verdadeira desalienação do negro implica uma súbita tomada de consciência das realidades econômicas e sociais. Só há complexo de inferioridade após um duplo processo:
— inicialmente econômico;
— em seguida pela interiorização, ou melhor, pela epidermização dessa inferioridade.
Reagindo contra a tendência constitucionalista em psicologia do fim do século XIX, Freud, através da psicanálise, exigiu que fosse levado em consideração o fator individual. Ele substituiu a tese filogenética pela perspectiva ontogenética. Veremos que a alienação do negro não é apenas uma questão individual. Ao lado da filogenia e da ontogenia, há a sociogenia. De certo modo, para responder à exigência de Leconte e Damey, digamos que o que pretendemos aqui é estabelecer um sócio- diagnóstico.1
Qual o prognóstico?
A Sociedade, ao contrário dos processos bioquímicos, não escapa à influência humana. É pelo homem que a Sociedade chega ao ser. O prognóstico está nas mãos daqueles que quiserem sacudir as raízes contaminadas do edifício.
O negro deve conduzir sua luta em dois planos: uma vez que, historicamente, ele se condicionou, toda liberação unilateral seria imperfeita, mas o pior erro seria acreditar em uma dependência automática. Os fatos, além do mais, se opõem a tal tendência sistemática. Nós o demonstraremos. 
De uma vez por todas, a realidade exige uma compreensão total. No plano objetivo como no plano subjetivo, uma solução deve ser encontrada. E é inútil vir com ares de mea culpa, proclamando que o que importa
é salvar a alma.
Só haverá uma autêntica desalienação na medida em que as coisas,

no sentido o mais materialista, tenham tomado os seus devidos lugares. É de bom tom preceder uma obra de psicologia por uma tomada de posição metodológica. Fugiremos à regra. Deixaremos os métodos para os botânicos e os matemáticos. Existe um ponto em que os métodos se dissolvem. Gostaríamos de tomar posição sobre este ponto. Tentaremos descobrir
as diferentes posições que o preto adota diante da civilização branca. Aqui, o “selvagem do mato” não será levado em consideração. É que,
para ele, certos elementos ainda não se tornaram significativos. Diante da convivência das raças branca e negra, pensamos que existe uma assunção em massa de um complexo psicoexistencial. Ao analisá-
lo, visamos a sua destruição.
Muitos pretos não se reconhecerão nas linhas que se seguem. Muitos brancos, igualmente.
Mas o fato de que eu me sinta estranho ao mundo do esquizofrênico,

ou do impotente sexual, em nada muda a realidade deles.
As atitudes que me proponho a descrever são verdadeiras. Eu as

encontrei um número incalculável de vezes.
Entre os estudantes, os operários, os cafetões de Pigalle ou de

Marselha, identifiquei a mesma componente de agressividade e de passividade.
Esta obra é um estudo clínico. Acredito que aqueles que com ela se identificarem terão dado um passo à frente. Quero sinceramente levar meu irmão negro ou branco a sacudir energicamente o lamentável uniforme tecido durante séculos de incompreensão.
A arquitetura do presente trabalho situa-se na temporalidade. Todo problema humano exige ser considerado a partir do tempo. Sendo ideal que o presente sempre sirva para construir o futuro.
E esse futuro não é cósmico, é o do meu século, do meu país, da minha existência. De modo algum pretendo preparar o mundo que me sucederá. Pertenço irredutivelmente a minha época.
E é para ela que devo viver. O futuro deve ser uma construção sustentável do homem existente. Esta edificação se liga ao presente, na medida em que coloco-o como algo a ser superado. 
Os três primeiros capítulos tratarão do preto moderno. Abordo o negro atual e tento determinar suas atitudes no mundo branco. Os dois últimos são consagrados a uma tentativa de explicação psicopatológica e filosófica do existir do negro. *
A análise é sobretudo regressiva.
Os quarto e quinto capítulos situam-se em um plano essencialmente diferente.
No quarto capítulo critico um trabalho que, na minha opinião, é perigoso. O autor, O. Mannoni, está aliás consciente da ambigüidade de sua posição. E isto é talvez um dos méritos de seu testemunho. Ele tentou prestar contas de uma situação. Tenho o direito de declarar minha insatisfação. Tenho o dever de mostrar ao autor o que não me satisfaz no seu trabalho.2
O quinto capítulo, que intitulei “A experiência vivida do negro”, é importante por várias razões. Ele mostra o preto diante de sua raça. Perceberemos que não há nada em comum entre o preto deste capítulo e aquele que procura dormir com a branca. Encontramos nesse último um desejo de ser branco. Uma sede de vingança, em último caso. Aqui, ao contrário, assistiremos aos esforços desesperados de um preto que luta para descobrir o sentido da identidade negra. A civilização branca, a cultura européia, impuseram ao negro um desvio existencial. Mostraremos, em outra parte, que aquilo que se chama de alma negra é freqüentemente uma construção do branco.
O negro “evoluído”, escravo do mito negro, espontâneo, cósmico, a um dado momento sente que sua raça não o compreende mais.**
Ou que ele não a compreende mais.
Então ele felicita-se disso e, desenvolvendo essa diferença, essa incompreensão, essa desarmonia, encontra o sentido de sua verdadeira humanidade. Ou, mais raramente, ele quer ser de seu povo. E é com a raiva nos lábios e a vertigem no coração que ele se joga no grande buraco negro. Veremos que esta atitude, tão absolutamente bela, rejeita a atualidade e o devir em nome de um passado místico.
Por ser antilhano de origem, nossas observações e conclusões só são válidas para as Antilhas – pelo menos nas partes que tratam do negro em sua terra. Um estudo deveria ser dedicado à explicação das divergências que existem entre antilhanos e africanos. Talvez o façamos um dia. Pode ser também que ele se torne inútil, do que não poderíamos senão tirar motivo de satisfação. 


Frantz_Fanon_Pele_negra_mascaras_brancas.pdf

875.34 KB13/08/2013 13:27:23Download Details View 
 
Fonte: Geledés 




Todos os livros de Michel Foucault para download gratuito





novembro 5, 2013 por Michele Marques Baptista
 
 
Nesse site do grupo de estudos foucaultianos, todos os livros do filósofo francês estão disponibilizados para download gratuito, assim como livros de comentadores e leituras introdutórias.


 


Favor verificar se é pago ou gratis  

Vale a pena ler:
O Satânico Doutor Go:
A Ideologia Bonapartista de
Golbery do Couto e Silva


http://www.verinotio.org/di/di17_golbery.pdf


verinotio.org


 

buscado na Revistabula 


375 livros de arte para download gratuito



O Metropolitan Museum of Art, de Nova York, um dos maiores e mais importantes museus do mundo, disponibilizou parte de suas publicações para download gratuito. São 375 livros. As obras disponibilizadas foram publicadas entre 1964 e 2012 e compreendem todo o período da história da arte — ressaltando as características artísticas distintivas e influentes, classificando as diferentes formas de cultura e estabelecendo a sua periodização. Além de estudos críticos, o acervo também contempla estudos biográficos de artistas como Pablo Picasso, Salvador Dalí, Van Gogh, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rembrandt, Claude Monet, Rosa Bonheur, Georgia O’Keeffe, John Singer Sargent e Utagawa Hiroshige. Os livros estão disponíveis para download no formato PDF ou podem ser lidos on-line.
Clique no link para acessar:  
375 livros de arte para download gratuito

 


 


  Baixe grátis dezenas de livros anarquistas e obras libertárias de diversos autores, veja alguns:

- Leon Tolstói
- Errico Malatesta
- Buenaventura Durruti
- Emile Henry
- Mikhail Bakunin
- José Oiticica
- Emma Goldman
- Daniel Guérin
- Pierre Joseph Proudhon
- Guy Debord
- Piotr Kropotkin
- George Woodcock
- Aldous Huxley
- George Orwell
- Rob Sparrow
- Domingo Passos(O Bakunin brasileiro)
- Hakim Bey
- Paulo Freire
- Foucault
- Etienne de la Boétie
- Herbert Read
- Henri Thoreau
- Noam Chomsky
- Eduardo Galeano


Link para baixar os livros: http://www.anarquista.net/livros-anarquistas/



 

buscado no Gilson Sampaio - Não sei se é gratis, favor verificar

  Texto do livro 68, a geração que queria mudar o mundo – Relatos, pode ser baixado em http://migre.me/5qSr4.  Em Urariano Mota: a história viva dos anos da ditadura tem uma bela apresentação do livro. Vale a leitura.


 buscado no Fórum justiça

“Brasil: ditadura militar” completo e disponível para download!

Publicado em 2/07/2013 Devido aos últimos acontecimentos e manifestações no Brasil de junho de 2013, resolvemos distribuir para download e visualização digital completa a publicação “Brasil: ditadura militar – um livro para os que nasceram bem depois…”, da qual sou ilustradora. Acreditamos que ele pode ser uma ótima ferramenta para trabalhos de educação popular sobre a nossa história, que não podemos esquecer!!! POR FAVOR DIVULGUEM, o livro é didático e de simples entendimento (ele é infanto juvenil). Estamos em um momento que conhecer a história da ditadura sob uma ótica militante é importantíssimo!!! Vale lembrar que esse livrinho é fruto de um trabalho árduo de pesquisa e dedicação, ou seja, disponibilizamos na internet para ampliar seu acesso, mas se quiser nos ajudar comprando um exemplar original escreva para brasilditaduramilitar@gmail.com.

http://crocomila.blogspot.com.br/2013/06/brasil-ditadura-militar-completo-e.html


 

Downloads de Livros Infantis Grátis

 


 

 http://livrosanarquistas.wordpress.com/






















Livros e Artigos Anarquistas e Afins

O objetivo desse site é um só: compartilhar um pacote com 445 livros (em português!) de vários autores anarquistas e de áreas afins, ou seja, que podem ser de interesse de quem estuda o assunto, além de algumas obras literárias. Entre os autores estão: Malatesta, Kroptkin, Bakunin, além de coletivos como o Grupo Krisis e Solidarity. Veja mais abaixo a lista dos livros e autores.

 


 

Livro escrito em 66 prova que tortura começou antes do AI-5 e está disponível para download

Jornalista e ex-deputado federal,  Moreira Alves ficou marcado por seu duro pronunciamento na tribuna da Câmara Federal, contra a invasão da Universidade Federal de Brasília. jornalista e ex-deputado federal, Márcio Moreira Alves que ficou marcado como o deputado que provocou o endurecimento da ditadura militar no Brasil, em 1968, quando foi editado o Ato Institucional No. 5, onze dias depois do seu duro pronunciamento na tribuna da Câmara Federal, contra a invasão da Universidade Federal de Brasília.jornalista e ex-deputado federal, Márcio Moreira Alves que ficou marcado como o deputado que provocou o endurecimento da ditadura militar no Brasil, em 1968, quando foi editado o Ato Institucional No. 5, onze dias depois do seu duro pronunciamento na tribuna da Câmara Federal, contra a invasão da Universidade Federal de Brasília. Onze dias depois foi editado o AI-5.
Moreira Alves ficou marcado por um duro pronunciamento na tribuna da Câmara contra a invasão da Universidade Federal de Brasília. Onze dias depois, foi editado o AI-5.



Por Ana Helena Tavares, editora do QTMD?



A Comissão da Verdade divulgou nesta semana que a tortura, praticada por agentes do Estado, começou logo depois do golpe de 64 e, portanto, antes do chamado “endurecimento do regime”, que se deu através Ato Institucional nº 5 (AI-5) decretado em 13 de Dezembro de 1968.


Há um livro do já falecido jornalista e ex-deputado federal Marcio Moreira Alves chamado “Torturas e Torturados”, que nunca chegou às livrarias, pois os militares recolheram quase todos os exemplares ainda na editora, ficando apenas alguns com o próprio Moreira Alves.


Esse livro foi escrito em 1966 e lá estão provas do que hoje diz a Comissão da Verdade.



Capa da edição original.
Capa da edição original.



O QTMD? descobriu que uma reedição do livro, feita em 96 mas mantendo o teor da edição original, está disponível para download gratuito no site oficial de Moreira Alves.



Segue o link: 


 


  DICA


Buscado no Pra Tudo Tem Um Jeito

Como marcar a página de um texto no Adobe Reader




Por lucas.barboza

Para aqueles que adoram ler livros (como eu) mas que por falta de ativos reais financeiros que limita seu poder de compra, (“estão duros”) encontram nas versões digitais de arquivos pdf uma forma de ler seus livros preferidos na tela do computador sem gastar um centavo. 
Bom, se você se encaixa nesse perfil deve ter se deparado com um pequeno inconveniente nessa prática. Você começou a ler um livro que tinha centenas de páginas e que você sabia que iria gastar no mínimo umas três semanas pra terminá-lo. Você ficou lendo durante umas duas ou três horas mas teve que desligar o computador para almoçar, jantar, dormir, levar o cachorro pra passear ou por qualquer outro motivo assim. Beleza, o problema é que quando você religou o computador e abriu novamente o arquivo no Adobe Reader, louco pra retomar a emocionante leitura, você se deparou com a primeira página do livro e pior, você não se lembra o capítulo e nem a página onde você parou. Nããããããooooo!
Nem me fale meu amigo você teve que ir passando todas as páginas até encontrar o lugar onde você parou. Na primeira vez beleza, mas lembre que você vai demorar no mínimo três semanas para terminar o livro, imagine ter que fazer isso toda vez que for retomar a leitura. Afff!

Para isso eu trago duas soluções para os meus amigos leitores:

1ª - Você pode anotar a página na qual você parou num pedacinho de papel, deixar ao lado do computador e ir anotando todas as páginas até que você termine o livro. É o tipo de coisa que aqueles pais que não entendem nada de computador fariam. Urhhhh! Ri-dí-cu-lo!!! Além de contribuir para o acúmulo daqueles papéis não identificados espalhados pelo seu quarto é um desperdício de papéis que você poderia usar para imprimir a letra de uma música do NX Zero ou uma receita de torta de fígado com jiló para a sua mãe......!?!?..... Pensando bem isso também seria um desperdício maior ainda de papéis. Mas de qualquer maneira existe um jeito muito mais fácil e racional de “salvar” o lugar onde você parou durante qualquer texto no Adobe Reader.
Ah, e nem adianta tentar achar isso na ajuda do Adobe Reader porque você não vai chegar em lugar nenhum. Essa ajuda muitas vezes só atrapalha.
A versão que eu testei é a 8.1.2, mas acredito que também funcione nas versões anteriores, se não funcionar... pô meu filho atualiza os programas do seu PC!
Mas se funcionar nas versões anteriores posta aí falando por gentileza.

Então chega de BLÁ BLÁ BLÁ e vamos ao que interessa!

Vamos seguindo em passos. Não vou nem colocar as imagens por que a operação é muito simples.

1° - Abra um arquivo de texto usando o Adobe Reader.
2° - Clique no menu “Editar” => em seguida “Preferências”. (Se preferir pode apertar as teclas de atalho Ctrl+K).
3° - Do lado esquerdo da janela onde diz Categorias: Selecione a primeira opção “Documentos”.
4° - No lado superior direito onde se lê “Abrir configurações” há várias checkbox, ou seriam checkboxes?? Bom, a segunda caixa de cima para baixo “Restaurar as configurações da última visualização ao reabrir os documentos” deve estar desmarcada. Marque-a.
5° - Clique no botão OK
6° - Posicione a visualização em qualquer parte do texto.
7° - Agora feche o arquivo e saia do Adobe Reader.
8° - Reabra o documento pelo Adobe Reader. 

Tcharam! Coisa linda né. Tenho certeza que vai ajudar muitos leitores digitais de plantão. 
Agora passem a diante e não esqueçam de deixar um comentário aí. Valeu? 
Estou preparando mais algumas dicas sobre Windows e programas populares. Fiquem de olho. Então até a próxima dica. Fui.
 

 
buscado no LIVROS E PESSOAS




















2.500 livros sobre África e Oriente disponíveis online

2.500 livros sobre África e Oriente disponíveis online 
Publicado no Boas Notícias

A Universidade de Aveiro disponibilizou recentemente, no site do seu projeto “Memória de África e do Oriente”, mais de 2.500 livros referentes à história dos países de Língua Portuguesa, durante a administração colonial.
De acordo com informação avançada no próprio site, o Portal das Memórias de África e do Oriente, da responsabilidade da Fundação Portugal-África, pretende ser “um instrumento fundamental e pioneiro na tentativa de potenciar a memória histórica dos laços que unem Portugal e a Lusofonia, sendo deste modo uma ponte com o nosso passado comum na construção de um identidade coletiva” destes povos.
O site tem vindo a ser reforçado com a digitalização de livros e revistas que estão agora disponíveis na secção “Biblioteca Digital“. Neste momento estão digitalizadas e com livre acesso mais de 2.500 obras que vão desde livros da escola primária do tempo colonial, a relatórios de antigos governadores das então colónias e outros documentos.
O site Memória de África e do Oriente existe desde Setembro de 1996 e é executado pela Universidade de Aveiro e pelo Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento (CESA) de Lisboa, com o apoio de instituições de Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Goa.


 

50 clássicos da literatura para baixar no 

Catraca Livre  gratuitamente

    

 
Clique aqui e leia 1 milhão de titulos gratis 
 

buscado no  Bula Revista

100 livros clássicos para download

publicado em
Uma compilação com 100 obras, entre autores brasileiros e estrangeiros, escolhidas entre os 10 mil títulos disponíveis no portal Domínio Público. A lista, traz desde livros seminais, formadores da cultural ocidental, como “Arte Poética”, de Aristóteles, até o célebre “Ulisses”, de James Joyce, considerado um dos livros mais influentes do século 20, além de clássicos brasileiros e portugueses. Todo o acervo do portal DP é composto por obras em domínio público ou que tiveram seus direitos de divulgação cedidos pelos detentores legais. No Brasil, os direitos autorais duram setenta anos contados de 1° de janeiro do ano subsequente à morte do autor. 
A Divina Comédia — Dante Alighieri
Ulysses — James Joyce
A Metamorfose — Franz Kafka
Don Quixote. Vol. 1 — Miguel de Cervantes Saavedra
Don Quixote. Vol. 2 — Miguel de Cervantes Saavedra
Cândido — Voltaire
Uma Estação no Inferno — Arthur Rimbaud
Iluminuras —Arthur Rimbaud
A Esfinge sem Segredo — Oscar Wilde

Viagens de Gulliver — Jonathan Swift
Poemas — Safo
O Elixir da Longa Vida — Honoré de Balzac
Arte Poética — Aristóteles

Via—Láctea — Olavo Bilac
As Viagens — Olavo Bilac
Contos para Velhos — Olavo Bilac
A Mensageira das Violetas — Florbela Espanca
Poemas Selecionados — Florbela Espanca
Livro de Mágoas — Florbela Espanca
Charneca em Flor — Florbela Espanca
Livro de Sóror Saudade — Florbela Espanca
O Livro D'ele — Florbela Espanca
O Guardador de Rebanhos — Fernando Pessoa

Poemas de Fernando Pessoa — Fernando Pessoa
Poemas de Álvaro de Campos — Fernando Pessoa
Poemas de Ricardo Reis — Fernando Pessoa
Primeiro Fausto — Fernando Pessoa
O Eu Profundo e os Outros Eus. — Fernando Pessoa
O Pastor Amoroso — Fernando Pessoa
A Cidade e as Serras — Eça de Queirós
Os Maias — Eça de Queirós
Contos —Eça de Queirós
A Ilustre Casa de Ramires — Eça de Queirós
A Relíquia — Eça de Queirós
O Crime do Padre Amaro — Eça de Queirós
Cartas D'Amor — O Efêmero Feminino — Eça de Queirós
Vozes d'África — Castro Alves
Os Escravos —  Castro Alves
O Navio Negreiro — Castro Alves
Espumas Flutuantes — Castro Alves
Eu e Outras Poesias — Augusto dos Anjos
Eterna Mágoa — Augusto dos Anjos
Os Sertões — Euclides da Cunha
Canção do Exílio — Antônio Gonçalves Dias

Dom Casmurro — Machado de Assis
Memórias Póstumas de Brás Cubas — Machado de Assis
Esaú e Jacó — Machado de Assis
Quincas Borba — Machado de Assis
Contos Fluminenses — Machado de Assis
O Alienista — Machado de Assis
As Academias de Sião — Machado de Assis
Memorial de Aires — Machado de Assis

Romeu e Julieta — William Shakespeare
A Comédia dos Erros — William Shakespeare
A Megera Domada — William Shakespeare
Macbeth — William Shakespeare
Hamlet — William Shakespeare
Otelo, O Mouro de Veneza — William Shakespeare
O Mercador de Veneza — William Shakespeare
Antônio e Cleópatra — William Shakespeare
Ricardo III — William Shakespeare
Os Lusíadas — Luís Vaz de Camões
Redondilhas — Luís Vaz de Camões
Canções e Elegias — Luís Vaz de Camões
A Carta — Pero Vaz de Caminha
Fausto — Johann Wolfgang von Goethe
Lira dos Vinte Anos — Álvares de Azevedo
Noite na Taverna — Álvares de Azevedo
Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos — Álvares de Azevedo
Obras Seletas — Rui Barbosa
A Volta ao Mundo em Oitenta Dias — Júlio Verne
Odisseia — Homero
Iliada — Homero
História da Literatura Brasileira — José Veríssimo Dias de Matos
Utopia — Thomas Morus
A Carne — Júlio Ribeiro
Édipo—Rei — Sófocles
A Alma Encantadora das Ruas — João do Rio
Memórias de um Sargento de Milícias — Manuel Antônio de Almeida
A Dama das Camélias — Alexandre Dumas Filho
Sonetos e Outros Poemas — Bocage
A Dança dos Ossos — Bernardo Guimarães
A Escrava Isaura — Bernardo Guimarães
A Orgia dos Duendes — Bernardo Guimarães
Seleção de Obras Poéticas — Gregório de Matos
Contos de Lima Barreto — Lima Barreto
O Homem que Sabia Javanês e Outros Contos — Lima Barreto
Triste Fim de Policarpo Quaresma — Lima Barreto
Diário Íntimo — Lima Barreto
O Livro de Cesário Verde — José Joaquim Cesário Verde
Brás, Bexiga e Barra Funda — Alcântara Machado
Schopenhauer — Thomas Mann

A Capital Federal — Artur Azevedo
Antigonas — Sofócles
A Poesia Interminável —  Cruz e Sousa
Antologia — Antero de Quental
A Conquista — Coelho Neto
As Primaveras — Casimiro de Abreu
Carolina — Casimiro de Abreu
A Desobediência Civil — Henry David Thoreau
A Princesa de Babilônia — Voltaire




Clique aqui para acessar o acervo Paulo Freire



Flavia Leitão compartilhou a foto de Canal do Ensino.
Canal do Ensino
Procurando mais títulos para a sua biblioteca digital? Arrume mais 20 lugares na sua estante... http://canaldoensino.com.br/blog/cinema-nacional-em-pdf-baixe-20-livros-gratuitamente






 buscados no E-mancipação
  indispensável livro Direito, Tecnologia e Cultura,


 Todo professor de Direito do país deveria reservar pelo menos uma hora de sua agenda para ler o incrível livro O Instante do Encontro: questões fundamentais para o ensino jurídico, escrito pelo professor José Garcez Ghirardi e publicado em 2012 pela inovadora coleção Acadêmica Livre, da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, que incentiva o compartilhamento físico ou eletrônico de publicações para fins não comerciais. 

 



Buscado no blog Olhar o Mundo


Palestina Guerra sem Fim, Leia o E-Book de Luiz Eça,  Publicado pelo jornal Brasil 247.

Palestina_Guerra_sem_Fim_Luiz_Eca


  

Universidade de Aveiro disponibiliza, na net, mais de 2500 livros sobre África e Oriente

buscado no Maria Fro
Universidade de Aveiro disponibiliza, na net, mais de 2500 livros sobre África e Oriente

A Universidade de Aveiro, através do projeto “Memória de África e do Oriente”, tem já online mais de 2500 obras, referentes à história dos países de Língua Portuguesa, durante a administração colonial.

 
14/02/2013

O projeto, que existe desde setembro de 1996, é executado pela Universidade de Aveiro e pelo Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento (CESA) de Lisboa e tem contado com a participação de instituições de Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Goa.

No site, com o endereço http://memoria-africa.ua.pt, além de registos bibliográficos para orientação de investigadores e curiosos, estão agora disponíveis e com livre acesso obras digitalizadas que vão desde livros da escola primária do tempo colonial, a relatórios de antigos governadores das então colónias e outros documentos oficiais.
Entre outras “preciosidades” já digitalizadas contam-se os três volumes da “História Geral de Cabo Verde”, várias obras do cientista e poeta cabo-verdiano João Vário, toda a coleção do Boletim Geral das Colónias, a revista do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa de Bissau Soronda (1986-2009), o Boletim Cultural do Huambo em Angola, e “O Oriente Português”, da responsabilidade da Comissão de Arqueologia da Índia Portuguesa, publicado entre 1905 e 1920 e retomado entre 1931 e 1940.
De acordo com Carlos Sangreman, da Universidade de Aveiro, o projeto “Memória de África e do Oriente” em dezembro atingiu 353.991 registos bibliográficos e 343.819 páginas digitalizadas e a base de dados já vai ser acrescentada.
“Temos trabalhado com muitas instituições portuguesas, sendo a ultima a Biblioteca Nacional que nos disponibilizou 67 mil registos que irão ser colocados na base à medida que formos conseguindo compatibilizar o formato”, esclarece aquele responsável.


A “biblioteca digital” permite já ler através da internet obras digitalizadas de Angola, Cabo Verde, Goa, Guiné, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor, acervo que pode ser enriquecido se os particulares que possuem obras em casa facultarem a sua digitalização ou referenciação.
MSO // JGJ. Lusa / Fim





buscado no   Blogtailors.com



Foram disponibilizados online, no decurso da passada semana, 256 manuscritos da Biblioteca do Vaticano. Até então, os textos apenas podiam ser consultados por um grupo limitado de especialistas. Via Ler ebooks.
«O projecto de digitalização começa pela disponibilização de 256 dos seus 80 mil manuscritos.» Ler no Público.

 





buscado no Zero Hora

Obra completa de Cruz e Sousa é disponibilizada na internet

Iniciativa é uma homenagem aos 150 do poeta catarinense


Obra completa de Cruz e Sousa é disponibilizada na internet Divulgação/
Representação do poeta Cruz e Sousa Foto: Divulgação
O site da Fundação Catarinense de Cultura (FCC) disponibilizou com acesso gratuito a obra do poeta simbolista Cruz e Sousa. 

 O pesquisador Lauro Junkes organizou a prosa e poesia do catarinense no site, que também dá acesso à 75ª edição do jornal Ô Catarina!, sobre o aniversário de Cruz e Sousa.

Segundo o consultor de projetos especiais da FCC, Marco Vasques, a ideia é criar um centro de documentação, reunindo, além da obra completa, biografias, ensaios, artigos, revistas e entrevistas do poeta. A programação em torno dos 150 anos de Cruz e Sousa começou em 2011, ano em que o poeta completaria 150 anos, e terá desdobramentos também em 2013.

A FCC distribuirá mais de 70 mil livros do poeta pelo Estado, criará pontos de distribuição desses livros e promoverá o projeto Poesia ao Pé do Ouvido, em que atores percorrem cidades recitando poesias de Cruz e Sousa em terminais urbanos. Além disso serão lançados um CD com poesias de Cruz e Sousa para pessoas com deficiência visual e o Prêmio Cruz e Sousa de Literatura.

 





buscado no Rda Cunha e Joelson Mendonça
QUER SABER COMO FOI O PROCESSO DE ENTREGA DO PATRIMÔNIO BRASILEIRO?

Quer saber como foi o processo de entrega do patrimônio brasileiro?

Baixe os livros:

O Brasil Privatizado I: http://www.fpabramo.org.br/uploads/Brasil_Privatizado.pdf

Privataria Tucana:
http://www.4shared.com/office/_g97fr3a/A_Privataria_Tucana.html

O Brasil Privatizado II:
http://www.fpabramo.org.br/uploads/Brasil_privatizado%20II.pdf




 

100 livros clássicos para download

Uma compilação com 100 obras, entre autores brasileiros e estrangeiros, escolhidas entre os 10 mil títulos disponíveis no portal Domínio Público. A lista, traz desde livros seminais, formadores da cultural ocidental, como “Arte Poética”, de Aristóteles, até o célebre “Ulisses”, de James Joyce, considerado um dos livros mais influentes do século 20, além de clássicos brasileiros e portugueses. Todo o acervo do portal DP é composto por obras em domínio público ou que tiveram seus direitos de divulgação cedidos pelos detentores legais. No Brasil, os direitos autorais duram setenta anos contados de 1° de janeiro do ano subsequente à morte do autor. 

A Divina Comédia — Dante Alighieri
Ulysses — James Joyce
A Metamorfose — Franz Kafka
Don Quixote. Vol. 1 — Miguel de Cervantes Saavedra
Don Quixote. Vol. 2 — Miguel de Cervantes Saavedra
Cândido — Voltaire
Uma Estação no Inferno — Arthur Rimbaud
Iluminuras —Arthur Rimbaud
A Esfinge sem Segredo — Oscar Wilde

Viagens de Gulliver  — Jonathan Swift
Poemas — Safo
O Elixir da Longa Vida — Honoré de Balzac
Arte Poética — Aristóteles

Via—Láctea  — Olavo Bilac
As Viagens — Olavo Bilac
Contos para Velhos — Olavo Bilac
A Mensageira das Violetas — Florbela Espanca
Poemas Selecionados — Florbela Espanca
Livro de Mágoas — Florbela Espanca
Charneca em Flor — Florbela Espanca
Livro de Sóror Saudade — Florbela Espanca
O Livro D'ele — Florbela Espanca
O Guardador de Rebanhos — Fernando Pessoa

Poemas de Fernando Pessoa  — Fernando Pessoa
Poemas de Álvaro de Campos — Fernando Pessoa
Poemas de Ricardo Reis — Fernando Pessoa
Primeiro Fausto — Fernando Pessoa
O Pastor Amoroso — Fernando Pessoa
A Cidade e as Serras — Eça de Queirós
Os Maias — Eça de Queirós
Contos —Eça de Queirós
A Ilustre Casa de Ramires — Eça de Queirós
A Relíquia — Eça de Queirós
O Crime do Padre Amaro — Eça de Queirós
Vozes d'África — Castro Alves
Os Escravos —  Castro Alves
O Navio Negreiro — Castro Alves
Espumas Flutuantes — Castro Alves
Eu e Outras Poesias — Augusto dos Anjos
Eterna Mágoa — Augusto dos Anjos
Os Sertões — Euclides da Cunha
Canção do Exílio — Antônio Gonçalves Dias

Dom Casmurro  — Machado de Assis
Esaú e Jacó — Machado de Assis
Quincas Borba — Machado de Assis
Contos Fluminenses — Machado de Assis
O Alienista — Machado de Assis
As Academias de Sião — Machado de Assis
Memorial de Aires — Machado de Assis

Romeu e Julieta  — William Shakespeare
A Comédia dos Erros — William Shakespeare
A Megera Domada — William Shakespeare
Macbeth — William Shakespeare
Hamlet — William Shakespeare
Otelo, O Mouro de Veneza — William Shakespeare
O Mercador de Veneza — William Shakespeare
Antônio e Cleópatra — William Shakespeare
Ricardo III — William Shakespeare
Os Lusíadas — Luís Vaz de Camões
Redondilhas — Luís Vaz de Camões
Canções e Elegias — Luís Vaz de Camões
A Carta — Pero Vaz de Caminha
Fausto — Johann Wolfgang von Goethe
Lira dos Vinte Anos — Álvares de Azevedo
Noite na Taverna — Álvares de Azevedo
Obras Seletas — Rui Barbosa
Odisseia — Homero
Iliada — Homero
História da Literatura Brasileira — José Veríssimo Dias de Matos
Utopia — Thomas Morus
A Carne — Júlio Ribeiro
Édipo—Rei — Sófocles
Memórias de um Sargento de Milícias — Manuel Antônio de Almeida
A Dama das Camélias — Alexandre Dumas Filho
A Dança dos Ossos — Bernardo Guimarães
A Escrava Isaura — Bernardo Guimarães
A Orgia dos Duendes — Bernardo Guimarães
Seleção de Obras Poéticas — Gregório de Matos
Contos de Lima Barreto — Lima Barreto
Diário Íntimo — Lima Barreto
O Livro de Cesário Verde — José Joaquim Cesário Verde
Brás, Bexiga e Barra Funda — Alcântara Machado
Schopenhauer — Thomas Mann

A Capital Federal  — Artur Azevedo
Antigonas — Sofócles
A Poesia Interminável —  Cruz e Sousa
Antologia — Antero de Quental
A Conquista — Coelho Neto
As Primaveras — Casimiro de Abreu
Carolina — Casimiro de Abreu
A Desobediência Civil — Henry David Thoreau

 

 

clic para ler no blog do Velho Comunista


Karl Marx - O Capital - Em Quadrinhos

Clique no título





 O livro negro do cristianismo Aqui: Em PDF Dois mil anos de crimes em nome de Deus Parte 1 & 2
Parte 3
Parte 4
Apêndices 1 & 2
Apêndices 3 & 4
Apêndice 5 & Notas 

 




 

Melhor da Semana - 13 livros de Fernando Pessoa para download gratuito: http://ow.ly/fwygc
13 livros de Fernando Pessoa para download gratuito: http://ow.ly/fwygc





Versões e ficções: O seqüestro da história
Autores: VÁRIOS AUTORES
Sinopse: Reunião de textos sobre a resistência à ditadura militar no Brasil do final dos anos 60 e início dos 70. É a versão de quem viveu e acompanhou aquele momento dramático da história brasileira, em que o governo militar cerceou as liberdades civis e perseguiu violentamente seus opositores. Os autores - entre eles vários dos participantes do seqüestro do embaixador norte-americano em 1969 - dão um testemunho que questiona as versões conciliadoras que estão por detrás de interpretações supostamente "isentas" e "desideologizadas", como a do filme O que é isso companheiro? "Versões e ficções: o seqüestro da história é guiado por uma preocupação central que o unifica: nem tanto a de restaurar a 'verdade dos fatos', como se esta existisse em absoluto, mas pôr em cena versões menos comprometidas com a 'idealização do passado'." Ronaldo Vainfas, Jornal do Brasil

(Biblioteca Digital) ou





As Veias Abertas da América Latina

As Veias Abertas da América Latina
BAIXAR O LIVRO











Download da Biografia Não Autorizada de Uribe











A HISTÓRIA SECRETA DA REDE GLOBO – clique aqui para baixar o livro completo


A HISTÓRIA SECRETA DA REDE GLOBO – clique aqui para baixar o livro completo
É m livro raro, difícil de achar nas livrarias, que está disponível gratuitamente na internet. O livro é resultado da tese de mestrado Universidade de Brasília apresentado pelo jornalista Daniel Herz, em 1983. ”A História Secreta da Rede Globo” aborda a introdução da tecnologia de comunicação no Brasil e de como a Globo, que foi construída com capital estrangeiro, chegou ao poderío de hoje e a promiscuidade com o poder público desde a Ditadura Militar. 













BRASIL NUNCA MAIS


BRASIL NUNCA MAIS
clique para baixar. Íntegra ou tomos

 




  Além Das Redes de Colaboração - Sérgio Amadeu e Nelson de Luca





  A Sociedade do Espetaculo - Guy Debord




[Ciências Políticas] A verdadeira história do Clube Bilderberg – Daniel Estulin

clubehk1 [Ciências Políticas] A verdadeira história do Clube Bilderberg   Daniel Estulin
Durante os últimos cinqüenta anos, um grupo seleto de políticos, empresários, banqueiros e poderosos em geral tem se reunido secretamente para tomar as grandes decisões que movem o mundo. Se você quer saber quem aciona os controles por detrás da fachada das organizações internacionais conhecidas, não tenha dúvidas: leia este livro. Após treze anos de investigação, o autor conseguiu compor uma lista de participantes do lobby formado pelos homens mais ricos,
poderosos e influentes do Ocidente, que se reúnem secretamente todo ano para lançar as estratégias de dominação no mundo. Ganhador do prêmio The Kingston Eye Opener de melhor livro estrangeiro de não ficção.

A verdadeira história do Clube Bilderberg – Daniel Estulin

  




 

Do Homem ao Macaco (Ape to Man; Nic Young; 2005)

buscado no Filmes Politicos 



Baixe abaixo o ebook 
"A origem das especies", 
de Charles Darwin
 







Baixar grátis Poemas Inconjuntos, de Fernando Pessoa

  





Parceria de USP e Instituto Paulo Freire coloca obra do educador na interne

 





- 68, a geração que queria mudar o mundo - Direto da redação

Direto da redação


Recife (PE) - Organizado por Eliete Ferrer, editado pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, no livro participam 100 autores em 170 relatos. Em mensagem coletiva no grupo da internet “os amigos de 68”, Eliete informa que nele se encontram “histórias reais ocorridas desde 1964 até a abertura política - nas reuniões, na militância, nas manifestações, nas discussões, na prisão, nas ações armadas ou não, nos treinamentos, na clandestinidade, no Brasil ou no exterior, no exílio. O diferencial do nosso livro caracteriza-se pela revelação do lado humano e afetivo daqueles que não aceitaram a prepotência do Golpe de 64, concebido e engendrado nos Estados Unidos”.
De fato, se em alguns relatos individuais as angústias e o heroísmo de militantes socialistas nem sempre se acham realçados, na maioria dos textos e no seu quadro geral se depreende uma história rica da vida de jovens, de homens e mulheres na última ditadura, que, setores à direita queiram ou não, está na agenda do mundo político do Brasil. O livro vem numa luta que exige resposta da civilização brasileira aos assassinatos até hoje encobertos. Mais precisamente, na batalha incansável dos familiares dos mortos que continuam a busca dos corpos dos filhos, pais e irmãos. “68 a geração que queria mudar o mundo” é parte ativa da consciência do país que deseja uma punição exemplar para crimes contra a humanidade, que são imprescritíveis por todas as convenções internacionais do Direito.
O melhor e mais agradável em “68 a geração que queria mudar o mundo” é que ele não é um volume de teses. Em seu conjunto lêem-se relatos plenos de frescor, isso quer dizer, de sangue vivo, da hora, recuperado com o frescor da memória. É um livro necessário, porque nele estão as chamadas fontes primárias, as pessoas fora dos arquivos, contando o que viveram, penaram ou mesmo imaginaram nos anos do terror da ditadura brasileira. Delas vêm os documentos primários da luta dos malditos anos. É um livro urgente, para ser lido e divulgado.
Nele hão de se debruçar historiadores, roteiristas, cineastas, teatrólogos e jovens de todo o gênero e escolas para que compreendam o mundo que ainda lhes é desconhecido, de pessoas iguais a eles, que viveram, morreram ou escaparam por um triz, em situação-limite. São relatos da vida clandestina, de acontecimentos inimagináveis de “expropriações revolucionárias”, ou como a repressão as chamava, de assaltos a bancos por terroristas. Histórias de treinamento de guerrilha no Brasil, um documento vivo e inédito, e de amor, do amor que sobrevivia entre as porradas e tensões.
O curioso, para muitos, é que nele há também lugar para o humor, pois que os tempos eram duríssimos, mas os homens além do terror e crimes sofridos, também possuíam ou procuravam motivos para rir. Como neste caso, digno de Stanislaw Ponte Preta, o grande humorista que desmontou o ridículo da ditadura brasileira. Copio trecho do depoimento de Emílio Myra e Lopez:
“Um colega seu de ofício (do advogado Lino Ventura) defendia uma mulher e durante o seu processo ocorre o fato, verídico e registrado em seus autos. O advogado de sua defesa inquire o sargento, sua testemunha de acusação.
- Senhor sargento, por que o senhor acusa minha cliente de ser subversiva?
- Pelo material apreendido em sua casa – responde.
- Mas, especificamente, que material?
- Umas cartas...
O advogado prossegue.
- Sargento, seriam estas castas, às quais se refere? - Sim, senhor, são estas cartas.
- Mas sargento, estas cartas estão escritas em idioma francês, o senhor tem conhecimento do idioma francês?
- Não senhor – responde o sargento para espanto e risos no plenário.
Insiste o advogado.
- Senhor sargento, se o senhor não conhece o idioma francês, como pode, por estas cartas, acusar minha cliente de ser subversiva?
- Mas é claro – prossegue convicto o sargento – eu li nas entrelinhas”.
Há outros, muitos outras histórias, casos, depoimentos, poemas, entre o drama, o trágico e a comédia. Há pelo menos 169 outros relatos. Mas tenham pena deste digitador. 

Leiam o livro.

Buscado no Direto da redação

Leiam o poste abaixo

 



Livro Falado para Bibliotecas

buscado Aqui 



Para quem precisa de audio livros (livro falado) para atender deficientes visuais está aí uma ótima oportunidade.
Na Biblioteca  onde trabalho, já conseguimos exemplares para atender nossos alunos especiais.
Para obter os livros basta realizar um cadastro e solicitar as obras. Este material está sendo disponibilizado pelo Instituto Benjamin Constant. Ela atende as  Instituições sem fins lucrativos (Pessoas Jurídicas) que atendam aos deficientes visuais.
Para saber maiores detalhes 
entre neste link: IBC





Bem Vindo
O PDL é uma grande biblioteca virtual com livros grátis, quadrinhos, revistas, audiobooks e muita cultura, com um acervo alimentado por centenas de colaboradores em todo o mundo e uma história de 8 anos de existência. Todo os e-books grátis são produzidos e geridos pelos próprios usuários, que fazem do site um grande centro de troca de novidades e discussões relacionadas à área. O acesso é livre, e você só precisa fazer um pequeno registro. Não é preciso pagar nada, é só entrar com seu cadastro, pesquisar, conversar e ler à vontade!

O PDL




 

burburinho em livro

pensamentos despenteados em ebook
Atendendo aos pedidos dos leitores, organizamos uma seleção de textos já publicados no Burburinho e montamos um livro em PDF (Portable Document Format), disponível para download gratuito. São trinta artigos sobre cinema, literatura, internet, música, pintura, quadrinhos, teatro e miscelânea, com prefácios do escritor, poeta e pesquisador de quadrinhos Moacy Cirne e do jornalista Pedro Doria.





ACESSO DIRETO AOS TEXTOS EM PORTUGUÊS (EM ORDEM CRONOLÓGICA)

Wu Ming Foundation: quem somos, o que fazemos
(Texto completamente novo, Fevereiro de 2008)
Em 1994, por toda a Europa, centenas de artistas, ativistas e gozadores decidem adotar a mesma identidade.
Todos se rebatizam Luther Blissett e se organizam para infernizar a indústria cultural. Trata-se de um plano quinqüenal. Eles trabalharão juntos para contar ao mundo uma grande história, criar uma lenda, dar à luz um novo tipo de herói popular. Em janeiro de 2000, no fim do Plano, alguns deles se reúnem sob o novo nome Wu Ming. Este último projeto, embora mais concentrado na literatura e na narrativa mais strictu senso, não é menos radical do que o anterior.

Clique aqui ou acima





  A Felicidade de todos os seres na Sociedade Futura 

(livro digitalizado de Gonçalves Correia) 

 

buscado no Pimenta Negra



Livro digitalizado de GONÇALVES CORREIA

A Felicidade de todos os seres na Sociedade Futura 
Conferência de Gonçalves Correia no V Congresso dos Trabalhadores Rurais realizado no Teatro Garcia de Resende, em Évora, no dia 6 de Dezembro de 1922.
Livro digitalizado online - ver em:
https://docs.google.com/file/d/0B-6gLAaU9D9jMFVDRmtzelVRYmE0UHpfUTBYWVNuUQ/edit?pli=1




Clube Bilderberg: o livro que deve ser lido

Os rumores são muitos. Iluminati, Bilderberg e tantos outros são frequentemente acusados de quererem dominar o mundo. As provas, por vezes faltam. Mas não aqui.


O livro Clube Bilderberg é escritor por Daniel Estulin, um autor e comentador sobre este assunto mundialmente conhecido.

A divulgação deste livro é contrária ao grupo que se reúne anualmente e que envolve poderes políticos, económicos, militares, e outros.

Dos participantes nesta reunião, existem nomes Portugueses como José Sócrates, Rui Rio, Marcelo Rebelo de Sousa, Francisco Morteira Nabo e António Guterres.

A última reunião em Portugal foi em Sintra no ano de 1999.

O livro, pode ser descarregado em local público.

 




 

 Apesar da passagem de quase um século mantêm-se com particular acuidade para qualquer caracterização dos traços do desenvolvimento do sistema capitalista na actualidade os traços fundamentais utilizados por Lénine para descrever a fase imperialista do capitalismo. Nomeadamente o grau de concentração da produção e do capital que teve como consequência o monopólio, o predomínio do capital financeiro no comando do processo de acumulação de capital – a existência de uma oligarquia financeira, a exportação de capitais como aspecto determinante para cumprir a vocação universal do capitalismo e «internacionalizar» o circuito do capital, a formação de organizações internacionais monopolistas e a partilha do mundo pelas principais potências imperialistas, com o recrudescer do (novo) colonialismo.
Carregue aqui para ver o artigo (PDF)

oooooooooooooo

A Ditadura Encurralada - 4Shared

clique acima

dc243.4shared.com/download/.../A_Ditadura_Encurralada_-_O_Sac...
Formato do arquivo: PDF/Adobe Acrobat A ditadura encurralda / Elio Gaspari. — São Paulo: Companhia das Letras,. 2004. Bibliografia. ISBN 85-359-0509-X. 1. Brasil - História - 1964-1985 2. Ditadura ...





O REFÚGIO SECRETO - Assista o Filme, e Baixe o Livro em PDF

Filme O Refúgio Secreto Dublado Completo

http://www.youtube.com/watch?v=rHgB2ZfI60E&feature=player_embedded




Baixe o Livro em PDF (aqui)

O REFÚGIO SECRETO


Esta é a história emocionante de uma mulher que enfrentou os horrores da perseguição nazista aos judeus, sem perder a fé e a esperança.
A história da humanidade tem algumas páginas manchadas de sangue que a maioria das pessoas prefere esquecer. Mas justo dessas páginas despontam certas pessoas que precisam ser lembradas e conhecidas por todos.
Corrie ten Boom é uma delas.
Vivendo na Holanda, durante a Segunda Guerra Mundial, Corrie livrou vários judeus da perseguição nazista e da morte, escondendo-os em um quarto secreto na casa de sua família. Mas pagou um preço altíssimo por isso, Foi presa junto com sua irmã e
seu pai, e sofreu todo tipo de dor, injustiça e humilhação.
Você vai se emocionar intensamente com a vida de Corrie ten Boom: as lembranças da infância, a vida pacata no interior da Holanda, seu trabalho na relojoaria do pai, suas atividades no movimento de resistência holandesa quando o país foi ocupado pelo exército alemão. Vai viver juntamente com ela o medo de que a qualquer momento a polícia descobrisse os judeus em sua casa, os horrores dos campos de concentração, a perda de parentes e amigos queridos.
Mas uma coisa: Corrie não perdeu sua fé em Deus e a certeza de que, apesar de tudo, seu Pai Celestial estava no controle de sua vida e da história.
Você será profundamente tocado com o exemplo dessa mulher que mostrou que podemos enfrentar as piores situações quando temos em Deus o nosso refugio secreto.

Prefácio
Durante todo o tempo em que fizemos nosso trabalho de pesquisa para o livro O Contrabandista de Deus, um nome despontou várias vezes: Corrie ten Boom. Essa extraordinária mulher - que estava com seus setenta e cinco anos quando dela ouvimos pela primeira vez - era o melhor "companheiro de viagem" do Irmão
André. As histórias fascinantes que este nos contou a seu respeito, no Oriente - onde era conhecida pelo honroso nome de "Velha vovó" - e em outras partes do mundo, vinham à tona com tanta freqüência, que afinal erguemos os braços pedindo-lhe que cessasse com aquela torrente de recordações.
"Ela não vai poder figurar neste livro", dissemos. "Ela sozinha é um livro!"
São estas coisas que a gente diz sem querer insinuar nada.
Em maio de 1968, estávamos na Alemanha, e fomos assistir
ao culto em uma certa igreja. Um senhor estava narrando os horrores que sofrera em um campo de concentração nazista. Sua expressão facial era ainda mais eloqüente que suas palavras; os olhos guardavam a lembrança da dor; suas mãos tremiam - mãos que não conseguiam esquecer... Sucedeu-o no púlpito uma mulher de
cabelos brancos, grande e forte, usando sapatos grossos, cujo rosto, em contraste, irradiava alegria, paz e amor. Ela relatava os mesmos fatos. Também ela estivera em um campo de concentração, presenciara as mesmas cenas brutais, sofrera as mesmas perdas.
Enquanto os sentimentos dele eram perfeitamente compreensíveis, os dela davam o que pensar.
Encerrado o culto, deixamo-nos ficar para falar com ela.
Assim que principiamos a conversa, percebemos logo que se tratava da Corrie ten Boom de que André nos falara.
O maravilhoso ministério de consolação e aconselhamento de Corrie ten Boom se iniciara no campo de concentração, onde ela encontrou um "esconderijo contra o vento... refúgio contra a tempestade... sombra de grande rocha em terra sedenta". Ali
também aprendera a verdade de que, quando o pior acontece, o melhor ainda está para vir.
Em palestras posteriores, chegamos a conhecer bem esta admirável mulher. Com ela visitamos a casa estreita, tipicamente holandesa - apenas um cômodo na largura - onde, até os cinqüenta anos, ela levara uma vida pacata de uma solteirona, consertando relógios e cuidando da irmã mais velha e do pai idoso, sem nem ao
menos sonhar que um mundo de aventuras e desventuras estava lhe batendo à porta. Visitamos aquela casa do sul da Holanda, em cujo jardim a jovem Corrie entregou a Karel o coração, e também a espaçosa mansão de Haarlem, onde, em plena guerra, Pickwick serviu café de verdade aos amigos.
E em meio a tudo isso, tivemos a forte impressão de que não olhávamos para o passado, e, sim, para o futuro. Era como se aqueles lugares e aquelas pessoas estivessem nos falando, não sobre fatos já acontecidos, mas sobre o mundo que nos aguardava, na década de 70. Já nos descobrimos, algumas vezes, pondo em prática os segredos espirituais que com ela aprendemos a respeito de:
como suportar uma separação;
como contentar-se com pouco;
como sentir-se seguro em meio à insegurança;
como ter forças para perdoar;
como Deus usa as fraquezas;
como lidar com pessoas problemáticas;
como encarar a morte;
como amar os inimigos;
o que fazer quando o mal é vitorioso.
Mencionamos para ela o fato de que tudo que nos contava era muito prático, e que essas lembranças do passado estavam lançando luz sobre alguns dos nossos problemas atuais.
"Mas é para isso que o passado serve", respondeu. "Cada experiência que Deus nos concede, cada pessoa que passa pela nossa vida, faz parte de nossa preparação para um futuro que somente ele vê."
Cada experiência, cada pessoa... o pai, que era o melhor relojoeiro da Holanda, mas que sempre se esquecia de mandar a conta dos consertos. A mãe, cujo corpo tornara-se uma prisão, mas cujo espírito vagueava livremente. Betsie, que com três batatas e um bocadinho de folhas de chá já usadas, sabia organizar uma festinha.
Ao fitar os olhos brilhantes daquela mulher forte, quase desejamos que essas pessoas tivessem feito parte de nossa vida também.
Depois, naturalmente, vimos que elas fizeram...

- John e Elizabeth Sherrill

Três Maneiras de Aplicar a Mensagem Deste Livro à Sua Vida
O segredo da vitória de Corrie ten Boom não está no fato de que tenha sido uma pessoa excepcional, pois, ela própria dizia ser uma pessoa "muito fraca e bem comum". As verdades que ela descobriu podem ser aplicadas à vida de qualquer um de nós. O processo de aplicação destas verdades é muito simples: basta substituir os detalhes da história dela pelas situações particulares de cada um, sejam problemas de família, de emprego, ou outros obstáculos e oportunidades que Deus nos permitir enfrentar.
Eis alguns exemplos de como isto pode ser feito:
1. Deus controla tudo, até mesmo as ocorrências que nos parecem cruéis ou sem objetivo. Escreva abaixo os seus problemas "mais difíceis".
Talvez você se pergunte por que as crianças têm que sofrer com a guerra, ou como um Deus amoroso pode permitir a violência de um furacão. Escreva todas as suas dúvidas pessoais, tais como: doenças na família, um acidente de carro, uma falência comercial, etc.
 ____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
Agora, tome-as uma a uma e transfira o fardo para Deus.
"Senhor, eu não sei qual é a solução para estas coisas, mas não quero crer que não haja solução para elas. Tu sabes por que elas ocorrem, Senhor, e quando eu estiver forte bastante - e for sábio, e tiver amor - tu me mostrarás."
Nas linhas abaixo, registre o seguinte: (1) respostas parciais ou totais, às perguntas acima (colocando a data de cada uma); (2) o aumento de liberdade, força e energia conseguido ao se enfrentar os outros problemas.
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
2. Deus dá graça para as necessidades presentes; juntamente com tristezas e dificuldades, ele dá forças. Como fez o pai de Corrie naquela viagem para Amsterdam, Deus só nos entrega a passagem no momento de subirmos ao trem.
Escreva abaixo, dez causas atuais de ansiedade (sono perdido? preocupações?)
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
Agora, releia a lista tendo em mente a seguinte pergunta:
quantas dessas situações realmente pertencem ao dia de hoje? Em quantas delas estou tentando passar à frente de Deus?
3. Deus quer que demos graças em todas as circunstâncias.
Nosso louvor e gratidão a Deus abrem, de maneira misteriosa e estranha, o caminho para que ele nos abençoe como deseja. Nas linhas abaixo, escreva cinco fatos pelos quais você está grato a Deus. 
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
Faça pausas durante o decorrer do dia para agradecer a Deus por estas bênçãos, e verá que seu próprio senso de justiça e amor aos outros - e principalmente do amor de Deus – se desenvolvem gradualmente.
Nestas linhas, escreva cinco situações atuais pelas quais você não está absolutamente grato.
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________

Agora, discipline-se e dê graças a Deus por estas coisas também e veja como ele toma esta sua nova atitude diante destes fatos, para mudá-los completamente.





O CHEFE - Clique na Imagem e leia o livro

O CHEFE - Clique na Imagem e leia o livro





Livro resgata história de mulheres torturadas, desaparecidas e mortas na resistência à ditadura

 
Luta, substantivo feminino(Mulheres torturadas, desaparecidas e mortas na resistência à ditadura) - coleção "Direito à Memória e à Verdade"“Se você sair viva daqui, o que não vai acontecer, você pode me procurar no futuro. Eu sou o chefe, sou Jesus Cristo”.
Maria Luíza Flores da Cunha Bierrenbach estava formada havia menos de um ano e trabalhava como advogada de presos políticos no escritório de José Carlos Dias, quando foi presa em novembro de 1971, em São Paulo. Ouviu o alerta do torturador enquanto ele girava a manivela que acionava os choques elétricos.
Foi por suas mãos que recebi, recentemente, o livro “Luta, Substantivo Feminino – Mulheres torturadas, desaparecidas e mortas na resistência à ditadura”.
O livro vem a ser o terceiro produto do relatório “Direito à memória e à verdade”, publicado pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos e a Secretaria Especial de Política para as Mulheres do governo federal, em 2010.
Mais do que apenas documento histórico, trata-se de um relato chocante e tenebroso, com as narrativas sobre mulheres mortas e desaparecidas pela ditadura, entremeadas por depoimentos daquelas que foram torturadas e sobreviveram.
Tão assustadora, quanto necessária, a verdade dói e transforma. Ninguém que tenha contato com os detalhes sórdidos destes escaninhos da repressão pode se manter intocado ao sofrimento.
Diante de atos de tamanha desumanidade, a impunidade dos torturadores e o silêncio sobre seus crimes se apresentam como verdadeiras penas acessórias.
O esquecimento tortura a memória, tal como os corpos doídos, mutilados e ocultos das vítimas.
Nilcéia Freire, ex-ministra que apresenta o livro, ressalta que as mulheres são personagens praticamente inexistentes nos compêndios de história: “nos retratos oficiais, nossos heróis têm, quase sempre, barba e bigode”.
O livro pretende resgatar parte desse déficit e sua compilação acaba por nos mostrar uma verdade cruel e dolorosa: é contra as mulheres que a tortura adquire seu formato mais atroz, sua faceta mais desumana: “Para fazer de uma mulher uma vítima de tortura é preciso não apenas que seu algoz retire dela toda a sua dignidade como ser humano, mas que estraçalhe a sua ‘humanidade feminina’, que retire do corpo a ser supliciado qualquer traço de relação com os outros corpos femininos que o remetem ao aconchego e ao afeto maternal”, conclui Nilcéia.
Os depoimentos comoventes e os relatos constrangedores demonstram com precisão esse destroçar do feminino.
Sessões de interrogatórios em que as vítimas são mantidas sempre nuas, choques preferencialmente nas partes íntimas, as mais diversas e abjetas violências sexuais com as quais os torturadores expunham seu grotesco sadismo. Abortos forçados, ameaças de torturas aos filhos pequenos e uma constante humilhação do materno, que bem se expressou no pungente relato de Maria Amélia de Almeida Teles:
“A pior tortura foi ver meus filhos entrando na sala, quando eu estava na cadeira do dragão; Eu estava nua, toda urinada por conta dos choques. Quando me viu, minha filha perguntou: ‘Mãe, porque você está azul?”
O objetivo da tortura, conta Eleonora Menicucci de Oliveira, “era destruir a sexualidade, o desejo, a autoestima, o corpo”. Vilipendiar você como pessoa, que seu corpo e sua vontade percam o controle e você se sinta um montão de carne, ossos, merda, dor e medo, resume Lilian Celiberti.
Há ainda outro aspecto revelador nestes relatos sobre as mortas e as desaparecidas da ditadura.
Quando se debruçou nos pedidos de indenizações, a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP) desmontou as versões oficiais que inseriam vítimas em acidentes de trânsito ou tiroteios.
Em vários casos, a exumação dos corpos, estudo das perícias nos locais dos eventos e relatos de testemunhos puseram ao chão, sem grandes dificuldades, as conclusões oferecidas pelos agentes do Estado para esconder os inequívocos atos de repressão.
Violências policiais mascaradas como “autos de resistência”, infelizmente, não são apenas esqueletos no armário.
Se a vítima preferencial das torturas hoje não é mais o militante político, isso não significa que os abusos desapareceram.
Casos de agressões a jovens pobres, simulação de conflitos e altíssimo índice de homicídios ainda são frequentes na atividade policial.
A impunidade dos crimes da ditadura, em grande parte pelo desprezo do STF à jurisprudência internacional dos direitos humanos, e a opacidade dos arquivos da repressão, são combustíveis indispensáveis para a perpetuação desses abusos.
Por isso se faz tão necessário o resgate da história, o encontro do país consigo mesmo. Para entender porque nascem e como perduram tais mazelas.
As inúmeras concessões realizadas no projeto recente da Comissão da Verdade, todavia, deixaram mais dúvidas do que certezas quanto ao real intuito de levar ao conhecimento de todos, o pesadelo dos anos de chumbo.
Retroagir o período de apuração a 1946, tornar sigiloso o que por natureza deva ser público, estipular tempo e pessoal reduzido para uma apuração tão complexa, impedir de ofício o trânsito das revelações justamente a quem pode investigá-las.
Não é injustificado o receio de que a comissão encerre assim uma tarefa meramente formal.
Que o exemplo das mulheres retratadas nessa publicação sirva para recuperar o resgate da memória e da verdade, substantivos tão femininos como elas.
E que consigamos compreender que não se constrói democracia com tibieza, transparência com segredos ou paz sem justiça.

[a íntegra do livro pode ser vista no portal do Ministério da Justiça]










http://lasmanosdelche.blogspot.com/





 Amor Líquido

Livro completo em PDF

O livro Amor Líquido, de Zygmunt Bauman, está disponível em PDF no link: BAUMAN, Zygmunt - Amor Líquido.pdf






VIDA PARA CONSUMO: 
a transformação das pessoas em mercadorias
de Zygmunt Bauman


"Um dos mais perspicazes pensadores da atualidade, Zygmunt Bauman nos revela a verdade oculta, um segredo bem guardado da sociedade contemporânea: a sutil e gradativa transformação dos consumidores em mercadorias. As pessoas precisam se submeter a constantes remodelamentos para que, ao contrário das roupas e dos produtos que rapidamente saem de moda, não fiquem obsoletas. Bauman examina ainda o impacto da conduta consumista em diversos aspectos da vida social: política, democracia, comunidades, parcerias, construção de identidade, produção e uso de conhecimento. E não esquece de analisar como esta característica parece evidente no mundo virtual: redes de relacionamento, como Orkut e MySpace, não trabalham com a idéia do homem como produto?" 
(Fonte: http://www.submarino.com.br/produto/1/21385903/vida+para+consumo)


Para Lê-lo Acesse: 





 Permitido o uso apenas para fins não comerciais
.







Para baixar o livro completo em PDF, clique na imagem ou
A era da modernidade líquida em que vivemos — um mundo repleto de sinais confusos, propenso a mudar com rapidez e de forma imprevisível — é fatal para nossa capacidade de amar, seja esse amor direcionado ao próximo, nosso parceiro ou a nós mesmos.
Zygmunt Bauman, um dos mais originais e perspicazes sociólogos ainda em atividade, Investiga aqui de que forma nossas relações tornam-se cada vez mais "flexíveis", gerando níveis de insegurança sempre maiores. Uma vez que damos prioridade a relacionamentos em "redes", as quais podem ser tecidas ou desmanchadas com igual facilidade — e freqüentemente sem que isso envolva nenhum contato além do virtual —, não sabemos mais manter laços a longo prazo.
E não apenas relações amorosas e vínculos familiares são afetados: Bauman verifica ainda que nossa capacidade de tratar um estranho com humanidade é prejudicada. Como exemplo, ele examina a crise na atual política imigratória de diversos países da União Européia e a forma como a sociedade tende a creditar seus medos, sempre crescentes, a estrangeiros e refugiados.
Sensível e brilhante como de hábito, Zygmunt Bauman faz deste Amor líquido mais que uma mera e triste constatação, um alerta revigorante. 




MINICONTOS GRÁTIS

Carlos Motta

MINICONTOS GRÁTIS
"O RISO FROUXO DO HOMEM INSIGNIFICANTE" TRAZ 50 HISTORIETAS TRAGICÔMICAS QUE PODERIAM SER REAIS. CLIQUE NA CAPA PARA FAZER O DOWNLOAD







PÚBLICA
http://apublica.org/category/livros/





O livros abaixo foram escritos por colaboradores da Pública para livre download e veiculação pela internet. Espalhe!



CLIQUE NOTÍTULO ACIMA






A Privataria Tucana

Uploaded by: LinguaFerinaSucesso, com 15mil exemplares vendidos em um dia e já na sua 2ª edição na primeira semana após o lançamento, o livro “A Pr...
Clique no título
OOOOOOOOOOOOOOOO


Amaury-A Privataria Tucana.pdf (21.61 MB)



Baixar pelo Multiupload.com




Clique acima 




 Livro Negro do Capitalismo

 Clique acima




As Veias Abertas da América Latina – Download



Resenha PasseiWeb

Download catado no rodopiou.com
 


image  



As veias abertas da América Latina, de Eduardo Galeano


Essa é uma das grandes obras clássicas da literatura latino-americana. Leitura imperdível para aqueles que gostam, querem ou precisam entender a História da América Latina.


As veias abertas da América Latina, de Eduardo Galeano, foi publicado pela primeira vez em 1970 e editado em praticamente todos os países do continente, vários países da Europa e nos EUA.


Na obra o autor propõe um inventário dos 500 anos da história do continente retratando as suas principais bases: a economia agrícola e mineradora dominada pelo mercado internacional, com o objetivo de gerar lucros para a potência dominadora; a pobreza social como resultado de um sistema econômico externo e excludente, que privilegia uma minoria financeiramente capaz de integrar-se aos padrões de consumo; a opressão de governos centralizadores contra as minorias, produzindo genocídios e o caos social; a exploração do trabalho e as péssimas condições de sobrevivência para a grande maioria de sua população.


Num relato informal, para entender a história e a atual situação da América Latina, Galeano narra os fatos fora de uma seqüência cronológica, fazendo com que passado e presente conversem entre si na mesma obra, determinando o ponto de vista do autor: o continente foi e é peça importante no enriquecimento de poucas nações, e o preço que paga por isso é o seu subdesenvolvimento crônico, suas eternas crises sociais e seu status de colônia. A riqueza das potências é a pobreza da América Latina, diz Galeano em certa passagem do livro.


O livro mostra como os espanhóis e portugueses chegaram àquelas terras virgens no século XV e se aproveitaram das riquezas que o continente possuía. Os espanhóis, fixados desde o planalto mexicano até os Andes, tiveram sorte e encontraram ouro e prata nas primeiras andanças. Os portugueses, ocupando a faixa litorânea do Oceano Atlântico, tiveram de construir um império colonial à base da cana-de-açúcar enquanto não encontravam os metais. Embora em áreas diferentes, a tônica da exploração foi a mesma: trabalho forçado, agressão física, enriquecimento, opressão colonial. Os espanhóis encontraram dois exércitos de mão-de-obra disponíveis: os índios astecas no México e os incas no Peru. Estas civilizações, para o autor, retratam o caráter do domínio colonial: socialmente e militarmente evoluídas, foram destruídas nas minas e com o trabalho forçado nas mitas e encomiendas. Já os portugueses, depois de tentar a exploração dos índios nos engenhos de açúcar e não obter sucesso, transformaram-se no maior traficante de negros mundial. Vindos da África, os negros deixavam à força seus reinos para, em terras brasileiras, ser escravos e motor da produção açucareira.


Após narrar a glória desses centros produtivos de riqueza colonial que, como faz questão de ressaltar, não ficava na Espanha e nem em Portugal: destinava-se a pagar as dívidas que estes países tinham com a potência que lhes roubaria o domínio econômico da América: a Inglaterra, Galeano traz a exploração para o presente e fala da decadência dessas regiões. Citando a teoria marxista da divisão do trabalho entre operário e patrão, Galeano afirma que enquanto a Europa era o cavaleiro que levava as glórias, a América era o cavalo que fazia todo o serviço.


Apesar de longo, encontramos na obra de uma linguagem simples, não-acadêmica, que atrai o leitor. O autor procura compreender o processo de formação da região, discutindo os vários interesses existentes, desde as contradições internas, até a postura do imperialismo britânico e norte americano, dedicando inclusive alguns capítulos ao Brasil.

Buscado no Gilson Sampaio 
 





Leia e passe adiante 
http://www.fazu.br/biblioteca/isis/documentos/Acervo%20Leia%20e%20Passe%20Adiante.pdf







Aloysio Biondi: Compre também sua empresa pública



por Luiz Carlos Azenha


Impossível ler Privataria Tucana sem passar, antes, por Aloysio Biondi, em O Brasil Privatizado. É um tema aparentemente complicado mas que ressoa, até hoje, na memória coletiva. Como disse um motorista de táxi que me trouxe certo dia ao Higienópolis, baiano de Vitória da Conquista, ao ingressar no que ele chamou de “território dos bicudos”: “O negócio deles é vender”. O ex-presidente Lula explorou este sentimento muito bem, nos debates que precederam o segundo turno da campanha presidencial de 2006, quando lembrou que Geraldo Alckmin queria vender “até o avião da presidência”. Em 2010, Dilma Rousseff trouxe de volta a Petrobrax, que é o retrato perfeito da relação dos tucanos com o patrimônio público: enfraquece, desvaloriza, descaracteriza, desmilingue e… vende.


O livro já é de domínio público e vendeu 150 mil cópias quando ainda não existia a internet. Vale a pena relembrá-lo e disseminá-lo.


PRIMEIRA PARTE


por Aloysio Biondi, em O Brasil Privatizado


Compre você também uma empresa pública, um banco, uma ferrovia, uma rodovia, um porto. O governo vende baratíssimo. Ou pode doar. Aproveite a política de privatizações do governo brasileiro. Confira
nas páginas seguintes os grandes negócios que foram feitos com as privatizações – “negócios da China” para os “compradores”, mas péssimos para o Brasil.


Antes de vender as empresas telefônicas, o governo investiu 21 bilhões de reais no setor, em dois anos e meio. Vendeu tudo por uma “entrada” de 8,8 bilhões de reais ou menos – porque financiou metade da “entrada” para grupos brasileiros.


Na venda do Banco do Estado do Rio de Janeiro (Banerj), o “comprador” pagou apenas 330 milhões de reais e o governo do Rio tomou, antes, um empréstimo dez vezes maior, de 3,3 bilhões de reais, para pagar direitos dos trabalhadores.


Na privatização da rodovia dos Bandeirantes, em São Paulo, a empreiteira que ganhou o leilão está recebendo 220 milhões de reais de pedágio por ano desde que assinou o contrato – e até abril de 1999 não começara a construção da nova pista.


A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) foi comprada por 1,05 bilhão de reais, dos quais 1,01 bilhão em “moedas podres” – vendidas aos “compradores” pelo próprio BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), financiadas em 12 anos.


Assim é a privatização brasileira: o governo financia a compra no leilão, vende “moedas podres” a longo prazo e ainda financia os investimentos que os “compradores” precisam fazer – até a Light recebeu um empréstimo de 730 milhões de reais no ano passado. E, para aumentar os lucros dos futuros “compradores”, o governo “engole” dívidas bilionárias, demite funcionários, investe maciçamente e até aumenta tarifas e preços antes da privatização.


Aproveite você também, conheça os detalhes neste livro.


E veja, nas páginas 65 a 68, um balanço das contas que o governo está escondendo.


Promessas e fatos


Irritada, tentando há 15 minutos utilizar um orelhão, Maria coloca o telefone no gancho e desabafa:


– Esse demônio só liga em número errado… É o terceiro orelhão com defeito em que estou tentando, e preciso falar urgente com meu filho, que vai sair para a escola…


– É, tá um inferno mesmo – retruca o Zé, no orelhão ao lado. –


E olhe que já estou sendo forçado a vir fazer ligações no orelhão porque o telefone lá de casa está mudo há duas semanas… E disseram que tudo ia melhorar com a tal privatização… “Telefone instalado, já, já, até em São José da Tapera”. Lembra do anúncio na televisão? Este país…


Diálogos igualmente indignados repetiram-se aos milhares, nas principais cidades brasileiras, nos últimos meses. Não apenas por causa das “telefônicas”, hoje tristemente famosas, mas também em razão dos desastrosos “apagões” da Light, da Eletropaulo, do “raio de Bauru”… Ou dos postos de pedágios que brotaram como cogumelos nas rodovias de São Paulo, Paraná etc., antes mesmo de as empreiteiras “compradoras” terem executado um único centímetro de pista nova… Ou dos bancos, que fecham agências em cidades onde eram os únicos a atender à população… Ou das ferrovias, que não cumprem metas, mas aumentam os fretes… Ou dos fertilizantes, defensivos, remédios para o gado, antes produzidos no país e agora importados e, por isso mesmo, pagos em dólar pelos agricultores…


Todos esses desastres já criaram a convicção de que o famoso processo de privatização no Brasil está cheio de aberrações. Não foi feito para “beneficiar o consumidor”, a população, e sim levando em conta os interesses – e a busca de grandes lucros – dos grupos que “compraram” as estatais, sejam eles brasileiros ou multinacionais. Mas há mentiras ainda maiores a serem descobertas pelos brasileiros, destruindo os argumentos que o governo e os meios de comunicação utilizaram para privatizar as estatais a toque de caixa, a preços incrivelmente baixos.


A venda das estatais, segundo o governo, serviria para atrair dólares, reduzindo a dívida do Brasil com o resto do mundo – e “salvando” o real. E o dinheiro arrecadado com a venda serviria ainda, segundo o governo, para reduzir também a dívida interna, isto é, aqui dentro do país, do governo federal e dos estados. Aconteceu o contrário: as vendas foram um “negócio da China” e o governo “engoliu” dívidas de todos os tipos das estatais vendidas; isto é, a privatização acabou por aumentar a dívida interna. Ao mesmo tempo, as empresas multinacionais ou brasileiras que “compraram” as estatais não usaram capital próprio, dinheiro delas mesmas, mas, em vez disso, tomaram empréstimos lá fora para fechar os negócios. Assim, aumentaram a dívida externa do Brasil. É o que se pode demonstrar, na ponta do lápis, neste “balanço” das privatizações brasileiras, aceleradas a partir do governo Fernando Henrique Cardoso.
  livros de Aloysio Biondi,
baixar aqui: 


Como se construiu o mito das privatizações? Quais os grupos beneficiados? Por que o Brasil ficou mais pobre depois delas? Um dramático balanço - fartamente documentado - dos resultados que a política de privatização deixou para o país na área social e econômica. Editado pela Fundação Perseu Abramo, foi indicado para o Prêmio Jabuti 2000.
Clique no titulo. Faça o download da íntegra do livro,
dividido por capítulos.




Livros e textos Anarquía

AQUI








Coleção
Resistência a Ditadura Militar de 1964
http://www.dhnet.org.br/perly/livros/resistencia/index.htm 


AQUI




Despedida e vontades

.
Dia 30 — Um livro que você ainda não leu mas quer
.
Último dia do desafio 30 livros em um mês e depois de ler tantos relatos apaixonados tenho uma lista interminável de livros que desejo ler. A Mayara fez um relato tão lindo de “A Mulher Habitada” da Gioconda Belli que é impossível não desejar ter pelo menos um pedacinho de sua emoção, e eu já o baixei em espanhol.
Marília escreveu sobre “Três Vidas” da Gertrude Stein como uma de suas autoras favoritas e como, vergonhosamente, ainda não li nada dessa escritora esse está na mira. A fofa, e ainda desconhecida pra mim, da Grazi me deixou com vontade de ler dois de seus livros favoritos, “A Mulher Desiludida” de Simone de Beauvoir e “A Cidade do Sol” de Khaled Hosseini — conheço os dois autores e isso só faz a vontade aumentar.
Seguindo a lista, a Cláudia me revelou uma história que parece ser bem conhecida, só eu não deveria saber, sobre a autora de “Frankenstein“, Mary Shelley que o escreveu com apenas 19 anos entre 1816 e 1817 e deu o pontapé inicial no gênero de terror gótico. Mesmo conhecendo a história do universitário que cria um monstro e depois abandona sua criatura, fiquei com vontade de ler o original escrito por essa guria. A querida da Renata Lima me ensinou muitas coisas com seu afeto pelos livros, histórias e personagens. Desde que a conheci nunca mais consegui ir dormir sem ler pelo menos uma página e isso me faz um bem danado, um bem que ela me trouxe junto com a dica de um de seus livros mais queridos, “O Sol é Para Todos” de Lee Harper. Eu chego lá.
Pulando para a outra Renata, a Lins, descobri uma história dela com um livro que é de fazer chorar. Não vejo a hora de poder ler “O Encontro Marcado” de Fernando Sabino e poder entender um pouco mais dessa emoção e conhecer um pouco mais dessa generosa amiga que tenho certeza, veio pra ficar na minha vida. Da fina flor Juliana fiquei intrigada com sua série favorita do Peter Robinson que são cinco livros policiais, “Perto de Casa” — “Pedaço do Meu Coração” — “Caso Estranho” — “Brincando com Fogo” — “Amiga do Diabo” e não sei se chego a ler todos (não curto muito histórias policiais), mas prometo experimentar pelo menos um.
Fiquei impressionada com o Eduardo de quem não conheço nada e que postou como livro mais querido de todos “Cartas a um Jovem Poeta” do Rainer Maria Rilke que é o meu livro de cabeceira e o livro que mais vezes li na vida, e agora é como se já soubesse muito de sua alma. A Tina, que começou tudo isso, me deixou várias vontades como “O Chão que Ela Pisa” de Salman Rushdie, “O Animal Agonizante” de Philip Roth (que originou o roteiro do filme “Elegy” que eu amo) e ainda “O Filho Eterno” de Cristovão Tezza.
Da instigante Júlia vem o amor por Mario Benedetti e ficou a dica de um livro dele que eu ainda não li, “La Tregua“, e uma vergonha intergalática que terei que assumir aqui: eu desconheço, ignoro por completo, “O Guia do Mochileiro das Galáxias” de Douglas Adams. Me informou a Júlia que são cinco livros e não vai ser fácil ler tanta ficção científica, mas preciso me livrar dessa vergonha. Questão de honra. Da lista da sensível e suave Rita vieram duas dicas preciosas “A Soma dos Dias” de Isabel Allende e “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” de Stieg Larsson (essa dica ganhou o reforço da Renata Lima). Na lista ainda incompleta da Fabiana encontrei poucos livros com os quais me identifiquei, nosso gosto diverge bastante, acho, e espero vê-la concluir o desafio para conhecê-la melhor através de seus livros.
Por último. O desafiador Pádua Fernandes me deixou uma lista interminável de livros e vontades. Poucas vezes conheci alguém com um gosto literário tão estranho a mim, foge completamente à obviedade e ao senso comum, e escolhi um para citar aqui: “Folhas de Relva” de Walt Whitman, que lerei em breve. E por fim, fim mesmo, a Graúna doida e bandoleira da Lu que citava tantos livros em cada um de seus posts que quase me enlouqueceu. Ficou a vontade imensa de mergulhar de novo em Clarice Lispector e reler com urgência “O Morro dos Ventos Uivantes” de Emily Brontë, onde há a mais romântica frase de todas (segundo a Graúna):  “seja do que for que nossas almas são feitas, a dele e a minha são iguais”.
.
No desafio 30 livros continuam a Renata do As Agruras e as Delícias de Ser, a Marília do Mulher Alternativa, a Mayara do Mayroses, a Cláudia do Nem Tão Óbvio Assim, a Renata do Chopinho Feminino, a Júlia do Uma Noite Catherine Suspirou Borboletas e o Eduardo do Crônicas de Escola. E tem mais a Fabiana que posta em notas no seu perfil no Facebook.






O amor nos tempos do cólera”
Para quem se interessar pelo livro, segue aqui para download 
 




 A Revolução Permanente de Trotsky, 
 
Felicidade Clandestina da Cecília,  
O Livro dos Abraços do Galeano,
















Aqui, uma versão digital do Brasil: Nunca Mais (não encontrei em pdf)
Não aconselho a ler Don Quixote em pdf, embora esteja disponível para download. A primeira parte tem 1832 páginas e a segunda, 919.













Baixe a versão cinematográfica de Ensaio Sobre a Cegueira, de Fernando Meirelles. 
 
Baixe daqui Cem Anos de Solidão em pdf
 




Baixe daqui A Sangue Frio em pdf
 
 




Mas aconselho a comprá-lo para tê-lo sempre a mão.
A edição normal custa em média R$ 20, 00 e
a edição de bolso entre R$ 8,00 e R$ 12,00.
A tradução é de Cecília Meireles. 
 



http://portal.mj.gov.br/sedh/biblioteca/livro_mulheres/livro_mulheres.pdf







Aplicativo para iPhone permite baixar mais de 2 milhões de livros gratuitos
Já disponível em português o eBook Search possui um catálogo gigante com romances clássicos, livros raros e livros de escritores independentes. Os livros podem ser acessados de qualquer lugar e você não precisa pagar nada por isso.? O eBook Search  é gratuito e é compatível com iPhone, iPod touch e iPad com iOS 4.0 ou superior.





Download do ebook "Para Entender as Mídias Sociais"


Para entender as mídias sociais é necessário, antes de tudo, ter em mente que se trata de um conhecimento multifacetado e interdisciplinar. Daí a tentativa de buscar profissionais de diferentes áreas para lançarem olhares distintos sobre um universo que tanto nos fascina.
Movidos pela efervescência de ideias que nascem e se aprimoram dia após dia pelas infovias lançamos, agora, o ebook coletivo "Para Entender as Mídias Sociais".
Embora o título aponte para um "beabá" - a fácil compreensão norteou o trabalho dos autores -, este livro está longe de esgotar a amplitude do debate e dos conceitos que permeiam as redes de relacionamento. Na busca constante - e talvez eterna - de avançar nesses entendimentos, é preciso que você continue o debate, crie novas perspectivas. Só assim este livro terá cumprido a sua meta.  
Depois de dois meses, uma troca intensa de e-mails, conversas animadas e muita ansiedade, aí está ebook 

"Para Entender as Mídias Sociais".

O arquivo está em PDF e tem 1,2 Mb. Você pode escolher qualquer dos serviços abaixo. O livro é gratuito. Se você percebeu algum problema com o download, por favor, nos avise.
Baixe por um dos links abaixo, leia, espalhe, comente com a gente o que você achou :-)

Baixar pelo Issuu
Baixar pelo 4shared
Baixar pelo Scribd
Baixar pelo Slideshare
Obrigada, de coração, a todos que colaboraram com este trabalho. E obrigada a você, por baixar, ler, compartilhar e, quem sabe, continuar este projeto. :-) 





Diversos livros






Livros gratis sobre









*Todos os livros de Paulo Freire estão disponíveis para download grátis 
AQUI.






Baixe abaixo o ebook "A origem das especies", de Charles Darwin
Aqui Download
Aqui Download






A rebelião romantica da jovem Guarda
Rui martins





A obra completa de Machado de Assis para download
Uma parceria entre o portal Domínio Público e o Núcleo de Pesquisa em Informática, Literatura e Linguística, da Universidade Federal de Santa Catarina, sistematizou, revisou e disponibilizou on-line a Coleção Digital Machado de Assis, reunindo a obra completa do autor para download. Além dos romances, “Ressurreição” (1872), “A Mão e a Luva” (1874), “Helena” (1876), “Iaiá Garcia” (1878), “Memórias Póstumas de Brás Cubas” (1881), “Casa Velha” (1885), “Quincas Borba” (1891), “Dom Casmurro” (1899), “Esaú e Jacó” (1904) e “Memorial de Aires” (1908),  a coleção engloba sua obra em conto, poesia, crônica, teatro, crítica e tradução. O projeto, que foi criado em 2008, também disponibiliza teses, dissertações e estudos críticos, e traz um vídeo sobre a vida do autor e sobre o contexto histórico em que ele viveu.






750 mil livros para download
 Open Library é um projeto sem fins lucrativos do Internet Archive e da Fundação Austin. O projeto consiste na disponibilização crescente de milhares de livros para download legal ou leitura on-line. Atualmente são 750 mil exemplares e, embora a língua predominante seja a inglesa, podem ser encontrados livros em cerca de 40 idiomas. Também faz parte do acervo preciosidades históricas dos séculos 15, 16, 17 e 18.
Para acessar: http://bit.ly/cPvcIT






Os 100 maiores livros não ficcionais
O suplemento “Livros”, do jornal inglês “The Guardian”, publicou uma lista dos 100 maiores livros não ficcionais já escritos. A lista, que gerou uma grande polêmica, foi dividida em 17 categorias: arte, biografia, cultura, meio ambiente, história, jornalismo, literatura, matemática, memórias, mente, música, filosofia, política, religião, ciências, sociedade e viagens. Livros das últimas décadas como “Notícia de um Sequestro”, de Gabriel García Márquez, “Pós-Guerra”, de Tony Judt, “Os Anéis de Saturno”, de W.G. Sebald, “Uma Breve História do Tempo”, de Stephen Hawking, dividem a lista com clássicos literários dos últimos séculos como “As Histórias”, de Heródoto, “Assim falou Zaratustra”, de Friedrich Nietzsche, “Os Ensaios” de Michel de Montaigne “Confissões”, de Jean-Jacques Rousseau e “Elogio da Loucura”, de Erasmo. O site do jornal também disponibilizou um formulário para que os leitores que discordarem do resultado possam apontar livros que ficaram fora lista.  Como em qualquer lista, o resultado pode até ser questionável, mas não menos divertido.
Para acessar: http://bit.ly/kwGEvG






120 livros acadêmicos para download gratuito
Cultura Acadêmica  é um selo da Fundação Editora da Unesp, que publica livros em primeira edição apenas nos formatos digitais, com a possibilidade de download gratuito. Atualmente são 120 títulos,  pautados nos conselhos editorias e comissões científicas e divididos em áreas como matemática, política, psicologia, comunicação, medicina, direito, filosofia, artes e literatura.
Para acessar: http://bit.ly/bEpO3N






Toda a obra poética de Vinícius de Moraes para download
A Brasiliana, a biblioteca digital da Universidade de São Paulo, disponibilizou para  download gratuito, toda a obra poética de Vinícius de Moraes. Ao todo são 15 livros, compreendendo o período de 1933 a 1975. São eles: “O Caminho para a Distância”, “Forma e Exegese”, “Ariana, a Mulher”, “Novos Poemas”, “5 Elegias”, “Poemas, Sonetos e Baladas”, “Pátria Minha”, “Orfeu da Conceição: Tragédia Carioca”, Livro de Sonetos”, “Receita de Mulher”, “Novos Poemas: II”, “Antologia Poética”, “O Mergulhador”, “Um Signo: Uma Mulher” e “A Casa”.
Para acessar: http://bit.ly/9RPdCW






100 livros sobre comunicação para download
O Departamento de Comunicação e Artes da Universidade da Beira, de Portugal, disponibilizou para download legal e gratuito cerca de 100 livros sobre comunicação. Os livros estão disponíveis em formato PDF. Os interessados em obter a versão impressa poderão fazê-lo sob encomenda, com preços acessíveis. A maior parte dos livros são publicações do ano de 2010 e 2011.
Para acessar: http://bit.ly/eI9n2o






20 aplicativos do Facebook para amantes de livros
O site Mediabistro, especializado em publicidade digital e marcas, listou os 20 melhores aplicativos do Facebook para os apaixonados por livros. Por meio dos aplicativos você pode listar preferências, trocar livros em formato Kindle, compartilhar trechos preferidos, fazer listas, ler capítulos inicias de livros que ainda não foram lançados, escrever pequenas resenhas, fazer compras on-line com descontos consideráveis e ficar por dentro do mercado editorial mundial. Se você gosta de livros vale a pena perder algumas horas. Para acessar: http://bit.ly/eJTJt6






Dom Quixote Interativo
A Biblioteca Nacional da Espanha, por meio do projeto Quixote Interativo, disponibilizou uma versão on-line da primeira edição de “Dom Quixote”, clássico romance de Miguel de Cervantes, escrito entre 1605 e 1615. O projeto traz também conteúdo multimídia, como mapas interativos das andanças do “cavaleiro da triste figura”, músicas e vídeos baseados na obra. Para acessar: http://bit.ly/b0wRdh
 



A biblioteca pessoal de Fernando Pessoa
1.142 livros da biblioteca particular de Fernando Pessoa estão  disponíveis na internet para consulta on-line. A digitalização do acervo foi  feita pelo Centro de Linguística da Universidade de Lisboa. Os livros de vários gêneros e idiomas, no formato PDF e JPG, trazem dedicatórias, anotações, assinaturas, notas, diagramas e poemas do maior poeta de língua portuguesa da história. Para acessar: http://bit.ly/dnJxA9






A biblioteca pessoal de Cortázar
O Centro Virtual Cervantes, dentro do projeto La Biblioteca del Escritor Argentino,  fez um dossiê com parte da biblioteca (composta de mais de quatro mil livros) de Julio Cortázar. São dedicatórias, anotações, rascunhos e objetos pessoais. Uma preciosidade para quem gosta daquele que é considerado um dos autores mais inovadores e originais de seu tempo,  comparável a Jorge Luis Borges e Edgar Allan Poe. Para acessar: http://bit.ly/4CvMIy






Os arquivos de Walt Whitman
A Walt Whitman Archive é uma ferramenta de pesquisa e ensino dedicada à vida e à obra de um dos um dos maiores expoentes da poesia norte-americana do século XIX: Walt Whitman.  O projeto reúne diários, manuscritos, textos em prosa, cartas, artigos jornalísticos, fotos e áudios raros, além de toda a crítica textual produzida sobre a sua obra. Também foram disponibilizados para download reproduções de seis edições de “Folhas de Relva” — a obra emblemática de Whitman —, incluindo a primeira edição, publicada 1855, e a última publicada em 1891. Quando morreu, em 1892, Walt Whitman havia publicado nove edições distintas de sua obra capital. “Folhas de Relva” influenciou alguns dos principais poetas norte-americanos do século XX, como William Carlos Williams, Ezra Pound, Carl Sandburg e a geração beat. Uma parceria entre a Universidade de Iowa e a Universidade de Nebraska-Lincoln é a mantenedora do projeto. Para acessar: http://bit.ly/qJ3











A Biblioteca Virtual de Literatura



Na biblio, você tem acesso a obras em domínio público dos mais importantes autores de nossa língua para leitura imediata. Não possuímos resumos ou resenhas, só textos completos e respeitando a linguagem da época.






EbooksBrasil
Aqui você vê os mais recentes lançamentos que entraram nas estantes da eBooksBrasil - eBiblioteca Pública. Para visualizar a relação completa em cada formato, clique no nome do formato acima. E pode fazer o download






Nossa Biblioteca Digital é uma das poucas no Brasil que é fonte primária e gratuita de textos literários em versão integral na internet. Trata-se de obras do Brasil e de Portugal, a partir das melhores edições disponíveis. Além da consulta a essas obras digitalizadas, temos também uma grande quantidade de autores e de títulos cadastrados (sem que estejam digitalizados), em nosso Banco de Dados de História Literária. Através deles, podem-se realizar pesquisas com informações sobre autores, datas de publicação, editoras, gênero das obras, entre outras.





 
A Biblioteca Digital Mundial disponibiliza na Internet, gratuitamente e em formato multilíngue, importantes fontes provenientes de países e culturas de todo o mundo.






BIBLIOTECA DOMINIO PUBLICO
O "Portal Domínio Público", lançado em novembro de 2004 (com um acervo inicial de 500 obras), propõe o compartilhamento de conhecimentos de forma equânime, colocando à disposição de todos os usuários da rede mundial de computadores - Internet - uma biblioteca virtual que deverá se constituir em referência para professores, alunos, pesquisadores e para a população em geral.
http://www.dominiopublico.gov.br/






 
http://gallica.bnf.fr/?lang=PT






- A BLCC é uma biblioteca on-line de teor anarquista/libertário que recusa 
o conceito "direitos de autor". Nasceu da necessidade de se criar um centro 
de informação e contra-cultura em Portugal. 









































 
A Biblioteca Virtual de Literatura é um veículo de divulgação e informação destinado a especialistas e pesquisadores, alunos e professores das diversas literaturas e também a leitores e usuários da rede em geral.
Com especial atenção à Literatura Brasileira, a BVL ocupa-se ainda das demais literaturas em língua portuguesa e das literaturas latino-americanas e abrange todas as outras literaturas. A literatura dramática está incluída, vinculada às atividades que a levam à cena.
A BVL analisa sites que permitem ao usuário o acesso a arquivos e acervos existentes online.
A Biblioteca Virtual de Literatura é desenvolvida pelo Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC/UFRJ), com apoio do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da UFRJ e o Programa de Pós-Graduação em Teatro / UNIRio, fazendo parte do conjunto de bibliotecas virtuais temáticas do SIBI - Sistema de Bibliotecas e Informação da UFRJ.












Lista
Nas áreas de Biblioteconomia e Ciência da Informação






LIVROS PARA LER gratis
http://www.gutenberg.org/






Brasiliana Digital
Uma Biblioteca Digital na USP
A USP guarda um acervo bibliográfico e documental sobre assuntos brasileiros impar no País e no mundo.






Apoio à Pesquisa Escolar e Acadêmica







 























 




Troque livros com pessoas de todo o Brasil. Veja como é fácil:
1. Você cria uma lista dos seus livros que deseja trocar
2. Quando outro usuário solicitar algum livro da sua lista, você o envia pelo correio
3. Você confirma o envio e ganha 1 crédito para solicitar 1 livro
http://www.trocandolivros.com.br/






Os melhores textos dos melhores escritores






Direitos humanos





Já está disponível para download a coleção História Geral da África em português, quem quiser pode chegar





Sugestão do companheiro Felipe
 
Coleção História Geral da África em português






8 volumes da edição completa.





Brasília: UNESCO, Secad/MEC, UFSCar, 2010.


Resumo: Publicada em oito volumes, a coleção História Geral da África está agora também disponível em português. A edição completa da coleção já foi publicada em árabe, inglês e francês; e sua versão condensada está editada em inglês, francês e em várias outras línguas, incluindo hausa, peul e swahili. Um dos projetos editoriais mais importantes da UNESCO nos últimos trinta anos, a coleção História Geral da África é um grande marco no processo de reconhecimento do patrimônio cultural da África, pois ela permite compreender o desenvolvimento histórico dos povos africanos e sua relação com outras civilizações a partir de uma visão panorâmica, diacrônica e objetiva, obtida de dentro do continente. A coleção foi produzida por mais de 350 especialistas das mais variadas áreas do conhecimento, sob a direção de um Comitê Científico Internacional formado por 39 intelectuais, dos quais dois terços eram africanos. 





Download gratuito (somente na versão em português):







  • ISBN: 978-85-7652-123-5
  • http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190249POR.pdf




  • ISBN: 978-85-7652-124-2
  • http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190250POR.pdf




  • ISBN: 978-85-7652-125-9
  • http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190251POR.pdf




  • ISBN: 978-85-7652-126-6
  • http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190252POR.pdf




  • ISBN: 978-85-7652-127-3
  • http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190252POR.pdf




  • ISBN: 978-85-7652-128-0
  • http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190254POR.pdf




  • ISBN: 978-85-7652-129-7




  • ISBN: 978-85-7652-130-3
  • http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190252POR.pdf





Informações Adicionais: