quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Matar reputações



autor: Jader Resende 

O poder ou a sombra dele subestima a população, além é claro, de aterrorizar, manipular e ignorar suas básicas necessidades.

O povo sempre foi sábio, criativo, improvisa suas prendas constrói sua história e tradições independente dos governos e aprende os ensinamentos que lhes são dados.

Vê as manobras e armações mirabolantes com produções caríssimas, onde tudo é valido para manter  aqueles com mais poder. A moral e o imoral unidos na violência do silencio desta força perversa na sociedade.  

Na impossibilidade de segregar em prisões ou manicômio, negros, pobres ou militantes políticos, são privatizados do direito de viver quando marcados a ferro em brasa como inimigos.

Justiceiros obedecem cegamente à manipulação dos com pouco ou muito poder e partem eufóricos para crucificar todo e qualquer suposto inimigo, na esperança dum lugar a sombra do grande irmão.  

Pregam que, presos políticos levaram para dentro dos presídios novas formas de organizações, influenciaram na formação de varias siglas do submundo. Pode ate ser.

Torturas também poderiam ser difundidas e sorrateiramente adaptadas, camufladas psicologicamente nas  entrelinhas da dominada comunicação, são armas extremamente dolorosas, eficazes e impiedosamente destruidoras.

Pode parecer novidade, mas já se tornou arma de domínio público, manipular um crime é assunto de qualquer grupo desocupado em volta de uma caixa de isopor nas esquinas da cidade.

Discretamente nas armações, difamações, mentiras, metalinguagem e do assedio moral, retém a vitima na pura vida de sofrimento.

 Vale qualquer acusação para quebrar a linha moral, por mais absurda que seja. Mudam a camuflagem das agressões de acordo com o que melhor se adapta ao momento. 
Tudo será usado nas diabrites executadas, mudança de uma vírgula, valores, frases, ideias ou até palavras são canalizadas em beneficio dos com pouco ou muito poder ou dos que vivem a sombra deles.

Cultivam a rivalidade entre sua vitima e qualquer outra pessoa próxima a ela. Semear animosidades é de suma importância para isolar a vitima, deixá-la sem poder se comunicar, assim não poderá explicar, se defender ou receber ajuda tão pouco reunir forças para lutar.

A turba anônima e justiceira alegremente dosa na intensidade e no tempo as difamações, fofocas, provocações diárias e constantes, na  transformação de grandes mentiras em verdade a troco de promessas, favores ou conduzidas por manipulações.

Aos poucos e homeopaticamente numa forma calculada de sofrimento destrói o passado da vitima, fazendo da sua vida um inferno, levando o infeliz a sérias enfermidades, desprezo pela justiça a ponto de se matar ou enlouquecer.

Ninguém vê, além do que lhe é imposto. Os crimes invisíveis não deixam pistas, marcas, culpados ou condenados.

Agridem o tempo todo sem medo e risco, vão torturando psicologicamente, sistematicamente vão matando sua reputação, identidade, destruindo seus códigos moral, sua honra e sua confiança no ser humano. Enfim, dosar o sofrimento na intensidade e no tempo deixa o criminoso livre das provas de seus crimes e alcança seus objetivos.


"Mas agora estava tudo em paz,
tudo ótimo, acabada a luta.
Finalmente lograra a vitória sobre si mesmo.
Amava o grande irmão."
George Orwell, 1984



Depois de matá-la sem nenhum risco de ser preso ou responder por seus crimes, seu papel na sociedade já esta definido como carrascos de aluguel.

A vida roubada e massacrada impiedosamente  transforma-se em pura indignação e um exemplo nas facilidades dos crimes invisíveis por mais fútil que seja o benefício dos poderoso ou ex-poderosos.

A repetição destes crimes no cotidiano é destrutiva para a sociedade, a barbárie e a crueldade passam a ser uma necessidade na existência dos capatazes justiceiros, que continuaram sempre fabricando outras vitimas. 


Jader Resende
A minha natureza inquieta, fé no trabalho e confiança num futuro onde: espírito, liberdade e natureza, estejam numa só manifestação do homem é que me leva a ser sempre Jader Resende e não imitador de Jader Resende


5 comentários:

Gustavo disse...

Belo mas sinistro texto/desabafo.
Não.
Sinistra é a realidade.

jader resende disse...

Obrigado Gustavo.

Poderia ser denuncia , mas uma reflexão da realidade.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Jaderamigo

Antes que o ano -este maldito 2013 - acabe, venho só para te dizer que concordo contigo.

E obrigado pela tua visita e comentário

Abç

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Olá Jader, seu texto nos dá a possibilidade de fazermos várias leituras, porém todas com finais tristes.Será que chegará o tempo em que todos viveremos em paz?
Muito bom seu texto. Feliz Ano Novo. Grande abraço!

jader resende disse...

Obrigado a Marli e ao Henrique
Meus sinceros votos de um Bom Ano Novo .
Creio que SIM um dia teremos ou deixaremos meios para uma vida melhor, esta esperança é nos move.

Um forte abraço para ambos e obrigado pela visita